Publicidade
Publicidade

Imagem do Rio piorou às vésperas da Olimpíada, diz economista americano

Os gastos com a organização dos Jogos Olímpicos do Rio e da Copa de 2014 são alguns dos motivos que levaram à grave crise financeira do Estado do Rio de Janeiro, que na última sexta-feira (17) decretou calamidade pública para evitar um colapso total das finanças do Estado.

Essa é a análise do economista americano Andrew Zimbalist, autor do livro "Circus Maximus", feita à Folha.

Na obra, lançada em 2015 e elogiada pela revista "The Economist" e pelo jornal "The Guardian", Zimbalist se debruça sobre as contas dos últimos grandes eventos esportivos –incluindo a Copa de 2014 e os Jogos de 2016– e chega à conclusão de que sediar grandes eventos esportivos traz poucos benefícios para a economia dos países.

Steven Senne/Associated Press
O economista americano Andrew Zimbalist
O economista americano Andrew Zimbalist

Ele avalia que os Jogos do Rio, além de prejudicarem a economia do Estado, fizeram com que a imagem do país no exterior ficasse deteriorada.

"Acho que o Rio tinha uma imagem muito atrativa e interessante, e essa imagem está manchada e deteriorada. A noção de que a Olimpíada iria promover o turismo e os negócios no Rio e no Brasil é muito mal concebida", diz.

*

Folha - Até que ponto a organização dos Jogos e da Copa de 2014 contribuíram para a crise financeira do Estado do Rio?
Andrew Zimbalist - Houve outros fatores importantes, como a redução na arrecadação com o petróleo e a recessão econômica do país. No entanto, os gastos para esses dois eventos deram uma contribuição significativa. Embora seja difícil contabilizar um número exato, o custo para organizar a Copa é de cerca de US$ 20 bilhões e para a Olimpíada outros US$ 20 bilhões [Segundo a Autoridade Pública Olímpica, o gasto total com a Olimpíada, por ora, é de R$ 39,1 bilhões].

Alguns números que aparecem por aí podem ser manipulados, já que a taxa de câmbio no Brasil tem variado muito. Além disso, é uma prática comum não incluir no orçamento olímpico gastos de infraestrutura que seriam feitos apesar dos Jogos.

É possível organizar uma Olimpíada sem comprometer o orçamento público?
É impossível. No entanto, se você vai organizar os Jogos em um país como a Inglaterra, muito mais desenvolvido, com uma renda per capita mais alta, é mais fácil gastar determinada quantidade de dinheiro nos Jogos do que quando se é um país em desenvolvimento, com uma renda per capita menor.

A Olimpíada não ajuda um país em desenvolvimento, como o Brasil, a acelerar investimentos em infraestrutura?
Olhando de uma forma superficial, isso é verdade. Algumas vezes, devido a impasses políticos, é muito difícil conseguir dinheiro para projetos de toda a natureza. Quando você está sob pressão internacional e perto de ocupar posição importante no cenário mundial, os políticos acham formas de aprovar coisas que não conseguiriam.

No entanto, quando você constrói infraestrutura para uma Copa do Mundo ou para uma Olimpíada você não o faz pensando no desenvolvimento da cidade. Quando você constrói uma linha de metrô que vai de Ipanema até a Barra da Tijuca, você não está gastando dinheiro da forma mais útil para o desenvolvimento da cidade.

Existem muitas outras linhas de trem ou metrô que deveriam ser construídas para facilitar o movimento pelo Rio. As linhas de metrô e BRT estão sendo feitas com a intenção de facilitar movimento entre as regiões olímpicas e os principais hotéis da cidade e não para promover o desenvolvimento do Rio ou para melhorar o trânsito da cidade no longo prazo.

O Brasil e o Rio precisam de uma infraestrutura planejada com muito cuidado. Não é a mesma infraestrutura que você consegue quando tem o COI (Comitê Olímpico Internacional) fazendo exigências para facilitar os Jogos.

Que setores da sociedade mais ganham com a Olimpíada?
As empresas de construção são as que costumam sair ganhando, assim como a especulação imobiliária. As pessoas que costumam se deslocar das praias de Ipanema e Copacabana para a Barra também se beneficiam.

No geral, o que acontece com os Jogos é que é reforçada a estrutura de separação de classes sociais. As pessoas que moram nas favelas são prejudicadas, os contribuintes em geral são lesados, enquanto a especulação imobiliária, grandes incorporadoras e empresas de construção e de seguros saem ganhando.

Apesar disso, acredito que, com a crise econômica, muitos dos projetos que seriam positivos para as grandes empresas imobiliárias vão acabar fracassando. Os condomínios de alto padrão que estão sendo construídos ao redor do campo de golfe na Barra, custando alguns milhões de dólares, foram planejados em uma época de boom econômico do Brasil. Minha suspeita é que as construtoras responsáveis por esses projetos vão perder muito dinheiro.

O planejado era retirar as favelas de algumas regiões que inicialmente seriam importantes para os Jogos para que elas se tornassem áreas nobres. Com isso, os valores dos imóveis subiriam. Isso já aconteceu em algumas regiões, mas em outras não. Se o Brasil não conseguir reverter logo essa crise, muitos desses projetos que iriam reforçar a estrutura de classes não vão conseguir fazer isso.

A imagem do Rio no exterior foi afetada com os problemas na organização dos Jogos?
Não há dúvidas de que a imagem do Rio está muitas vezes pior do que estava.

Antes da Copa do Mundo, as pessoas olhavam para o Rio como um lindo e exótico destino turístico. Um local ainda subdesenvolvido, mas muito atraente e simpático.

O que o mundo descobriu sobre o Rio nos últimos três ou quatro anos é que a água é poluída, que muitas regiões têm pontos de água parada que facilitam a proliferação de mosquitos e do vírus da zika, que a violência é extensa e difundida, que a economia está em queda livre, que há uma corrupção profundamente enraizada no sistema político, que há instabilidade política no país, que os congestionamentos são constantes, que parte da infraestrutura foi construída às pressas e já está caindo aos pedaços...

O decreto de calamidade pública feito pelo governo pode assustar os estrangeiros?
Sim, com certeza. O motivo para eles declararem uma crise fiscal é simplesmente para contornar regras burocráticas que fariam a transferência de verbas do governo federal para o estadual mais difícil e demorada. O governo federal também vive uma crise fiscal, mas pode conseguir dinheiro mais facilmente com a emissão de títulos públicos.

Os elogios recentes do presidente do COI, Thomas Bach, à organização são uma indicação de que, apesar de tudo, a Olimpíada será um sucesso?
Quando [o presidente interino Michel] Temer, [o prefeito do Rio, Eduardo] Paes ou Thomas Bach forem falar dos Jogos, eles vão falar isso. Eles vão tentar gerar o máximo de mídia positiva. Mas isso não tem a ver com a realidade.

Haverá uma quantidade enorme de dívida pública que será criada para receber os Jogos, e essa dívida terá de ser paga nos próximos anos, podendo inclusive afetar a nota de crédito do governo nas esferas federal, estadual e municipal. Eu acho que o impacto será pernicioso.

É um erro político apoiar a realização dos Jogos no seu país?
Sim, é um erro. Para Temer já é muito tarde. Ele pode colocar a culpa em Lula ou na Dilma, mas ele não pode fazer nada sobre isso agora. Não pode dizer que não vai colaborar com os Jogos.

Mas Dilma e Lula fizeram um grande erro, é a decisão errada. É o tipo de decisão que é tomada em ditaduras, como Rússia e China, que tentam fortalecer o Estado.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade