Publicidade
Publicidade

Após conflito na Europa, Kosovo tem 'vitória diplomática' no judô

A medalha de ouro foi a principal conquista da judoca Majlinda Kelmendi, 25, na Olimpíada do Rio. O seu prêmio maior, no entanto, foi ver a bandeira do Kosovo no alto da Arena Carioca 2 ao som do hino do país.

Ela foi a primeira medalhista da história do país numa Olimpíada. O Kosovo participa pela primeira vez dos Jogos, após o reconhecimento pelo COI (Comitê Olímpico Internacional), em 2014.

Além de esportiva, sua vitória é diplomática. O triunfo sobre a italiana Odette Giufrida na categoria meio-leve foi acompanhada pelo presidente do COI, o alemão Thomas Bach, e do Kosovo, Hashim Thaçi.

"Quero mostrar ao mundo que Kosovo não é só guerra. Temos crianças muito talentosas para o esporte. Consegui provar que, se elas querem ser campeões olímpicos, elas podem ser, mesmo sendo de um país pequeno e pobre", disse ela, após receber a medalha.

Kelmendi é o primeiro ídolo da jovem nação. Também foi porta-bandeira do país europeu na cerimônia de abertura no Maracanã.

O Kosovo declarou sua independência da Sérvia em 2008, mas não é reconhecido pela ONU e por 84 dos seus 193 Estados-membros, entre eles o Brasil.

Editoria de Arte
Onde fica Kosovo
Onde fica Kosovo

O conflito étnico na Sérvia teve seu auge entre 1998 e 1999, quando estima-se que 13 mil pessoas morreram, na chamada guerra do Kosovo.

Um dos combatentes era Dritton Kuka, 44, técnico de Kelmendi. Ex-judoca da seleção da Iugoslávia, ele não pôde competir em Barcelona-92 por questões políticas.

A judoca não quis falar sobre o como o conflito afetou sua família. "Estou aproveitando o momento. Não é o momento de política", disse, sorrindo.

A medalhista de ouro disputou Londres-12, quando não subiu ao pódio, pela Albânia, cuja população é da mesma etnia dos kosovares.

No ano seguinte, venceria seu primeiro Mundial, também no Rio, já vestindo as sigla KOS nas costas.

Na conquista do bicampeonato, em 2014, foi obrigada a lutar com a sigla IJF, da Federação Internacional de Judô, nas costas porque a Rússia não aceitou a representação do Kosovo na competição.

Markus Schreiber/Associated Press
Majlinda Kelmendi, do Kosovo, chora ao receber medalha na Rio-2016
Majlinda Kelmendi, do Kosovo, chora ao receber medalha na Rio-2016

Ao vencer o torneio, ela não pôde ver a bandeira de Kosovo no pódio, nem escutou o hino nacional.

Ela afirma que recebeu propostas financeiras de outros países para que se naturalizasse.

"Ofereceram milhões. Mas não se comparam ao que senti hoje", disse ela.

"O mais importante é que fizemos tudo isso no Kosovo. Majlinda é feita no Kosovo. Sempre treinou lá e vai continuar", disse o técnico Kuka.

Bach, presidente do COI, foi o responsável por entregar a medalha a Kelmendi.

"Ele disse: 'Você se lembra que eu esperava de você a medalha de ouro. Agora você conseguiu'. Isso me fez chorar", contou Majlinda.

O Kosovo tem outros sete atletas disputando a Olimpíada.

"Espero que os países que não reconhecem, o façam agora. Espero que o Brasil mude [seu posicionamento]", disse Kuka.

Que esporte é esse? - Olimpíada - Folha de S.Paulo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade