Publicidade
Publicidade

Com tempo do Rio, Bolt ficaria fora do pódio em 2012; rivais se aproximaram

Usain Bolt é o homem mais rápido do mundo, mas os outros estão chegando cada vez mais perto.

O ouro do jamaicano nos 100 m rasos da Rio-2016, que lhe garantiu o posto de único tricampeão olímpico da categoria, foi o mais difícil de conseguir na carreira. A vantagem sobre os outros medalhistas foi a menor de todas as Olimpíadas que disputou.

Se Bolt voltasse quatro anos no tempo e disputasse a final olímpica do Reino Unido novamente, ficaria de fora do pódio. Terminaria atrás da versão mais jovem de si mesmo, do conterrâneo Yohan Blake e do americano Justin Gatlin, seu eterno rival.

Em Pequim-2008, quando conquistou sua primeira medalha dourada, Bolt terminou a prova dos 100 m em 9s69 —o segundo colocado, Richard Thompson, de Trinidad e Tobago, ficou 0.20s atrás.

Nos Jogos de 2012, em Londres, ele fez sua melhor final olímpica, com tempo de 9s63. Ficou 0.12s a frente do compatriota Yohan Blake, medalha de prata.

Agora, a vantagem encolheu ainda mais: o tricampeão ficou apenas 0.08s à frente do americano Justin Gatlin, que levou a prata no Engenhão. Foi a prova mais disputada desde os Jogos de Atenas-2004 —os últimos sem a participação de Bolt. Ele diz que o intervalo reduzido entre a semifinal e a final afetou seu tempo.

A diferença cada vez menor entre o fenômeno jamaicano e os outros corredores também fica evidente nos tempos que obtém durante a temporada.

Mesmo com a vitória na final da Olimpíada, Bolt não detém a melhor marca de 2016. Ele fica atrás de Gatlin, que marcou 9s80 na seletiva americana para os Jogos, em julho.

Gatlin também é dono dos melhores tempos de 2015 e 2014. Antes disso, Bolt era soberano: foi o homem mais rápido de 2008, 2009, 2011, 2012 e 2013. Só perdeu em 2010, para outro americano: Tyson Gay.

Bolt afirmou que, para vencer na Rio-2016, teria de "entender e superar o limite dos rivais". Ele continua fazendo isso, mas tem cada vez menos tempo para olhar para o lado, sorrir e bater no peito antes da vitória.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade