Descrição de chapéu Humanos da Folha

História de êxito de Mauricio de Sousa começou como repórter policial na Folha

Quando entrou no jornal, em 1954, o artista teve seu trabalho rejeitado

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O cartunista Mauricio de Sousa veio de Mogi das Cruzes, onde morava, para tentar a sorte em São Paulo em 1954. Ainda amador, fez uma lista de lugares que deveria procurar para conseguir um trabalho.

Nessa ocasião, o Grupo Folha contava com três diários, Folha da Manhã, Folha da Tarde e Folha da Noite, que em 1960 se fundiram com a criação da Folha de S.Paulo.

Mauricio jovem desenhando ao lado de uma estatueta do cachorrinho Bidu
Mauricio Araújo de Sousa é cartunista, empresário e escritor brasileiro. É um dos mais famosos cartunistas do Brasil, criador da Turma da Mônica. Na foto, Mauricio e Bidu em 1961 - Arquivo Pessoal

Foi na Folha da Manhã, que o cartunista, então com 18 anos, foi mostrar seus desenhos no intuito de descolar um emprego.

Mauricio dirigiu-se ao prédio do jornal, na alameda Barão de Limeira, e pediu para falar no departamento de ilustrações. Subiu à Redação e foi até a sala dos ilustradores.

“Lá, encontrei o chefe, que não vou falar o nome”. Por quê? “Porque ele viu meus desenhos, de pé, deu uma folheada e falou: ‘Olha, faz outra coisa na vida, desenho não dá futuro, não dá dinheiro.’”

O mundo caiu para Mauricio. “Meus colegas, minha professora, meu pai, todos gostavam de meus desenhos, e ele me deu aquele baque.”

Por que não fala o nome dele? “Em respeito ao profissional. Ele era um grande ilustrador, peguei-o num mau dia. Acho que tinha alguma coisa a ver com a situação financeira dele naquele momento.”
Sentindo-se mal, Mauricio passou pela Redação e foi interpelado pelo jornalista Mario Cartaxo (1903-1983).

“Eu devia estar com uma cara de candidato a suicídio porque do nada ele falou: ‘O que é que houve?’. Balbuciei a história e ele disse: ‘Deixa eu ver seus desenhos.’”

Cartaxo viu e também não gostou, mas sugeriu a Mauricio que entrasse na Folha fazendo qualquer coisa, enquanto poderia aperfeiçoar seus desenhos. Ofereceu a ele uma vaga de copy-desk.

Mauricio topou, embora não pagasse bem. “O Cartaxo disse que compensaria porque eu faria amizades, construiria relações dentro do jornal.”

Após três semanas, ele concorreu a uma vaga de repórter policial e foi contratado. “Eram 200 candidatos para duas vagas. Foi um teste bem difícil, mas eu consegui porque lia muito, um livro por dia”, conta.
“O problema era que eu não podia ver sangue porque desmaiava. Além disso, por timidez, eu morria de vergonha de falar com estranhos, principalmente com pessoas importantes.”

Os problemas foram resolvidos de modo inusitado. Quando havia sangue na cena, o fotógrafo que o acompanhava ditava o que via.

E quanto à timidez? “Usava um disfarce. Comprei uma roupa de detetive norte-americano, uma capa, um chapéu e virava o personagem Dick Tracy.”

Durante cinco anos, Mauricio de Sousa foi Dick Tracy, ou melhor, repórter policial da Folha e alguns de seus desenhos serviam de ilustrações para matérias.

Magali, Monica, Cebolinha e Cascão atrás do sofá em que o cachorro azul Bidu está sentado
Personagens da Turma da Mônica em cena de especial de fim de ano que a Mauricio de Sousa Produções prepara com a Rede Globo para o Natal e o réveillon - Divulgação

Entre os casos que cobriu, recorda-se de ter despertado de um plantão dentro de uma delegacia vazia.
“Subi até a sala do delegado e não tinha ninguém. Na mesa, tinha um bloco de anotações. Vi que ele havia anotado alguma coisa e arrancado a folha. Baseado no que eu tinha aprendido nos gibis, peguei outro papel, coloquei em cima do baixo-relevo e rabisquei com lápis. Li um endereço, perto do Brás.”

Ele foi o primeiro a chegar ao local. “O delegado me disse: ‘Quem está morto ali é o pai do governador. Ele veio brigar com um sujeito, que parece que teve um caso com a mulher dele, levou um tiro e está morto, mas não é para noticiar ainda.”

O homem morto era Gabriel Quadros (1890-1957), pai do então governador Jânio Quadros (1917-1992).
Mauricio escreveu o texto, colocando em prática a maior lição que recebeu da Folha, “escrever tudo em poucas linhas”.

Dois anos depois, em 1959, ele teve sua primeira história em quadrinhos, uma tira vertical do Bidu, publicada pela Folha da Tarde. Em seguida, deixou a função de repórter, dedicando-se apenas à publicação de suas tiras na Folha.

Em 1960, Mauricio criou o Cebolinha e, em 1961, o Cascão, quando foi despedido pelo chefe de Redação do jornal por ser considerado comunista, segundo o cartunista.

“Eu e outros desenhistas fazíamos uma campanha pela nacionalização das histórias em quadrinhos, exigindo cotas de artistas brasileiros nos jornais e editoras”, lembra.

“Esse chefe, de quem não vou falar o nome, me mandou parar. Eu disse que era um movimento de classe, pois queríamos defender nosso trabalho. E ele falou: ‘Não pode, isso é coisa de comunista. Você para já com isso ou está fora’. Fui despedido.”

Sem dinheiro, Mauricio retornou para Mogi das Cruzes e voltou a viver com a família. Nessa época, passou a enviar para jornais e editoras próximas da sua cidade um catálogo com suas tiras e a promoção. Quem comprasse duas ganhava uma de graça, recorda-se ele, que acabou sendo contratado pelo jornal Tribuna da Imprensa, no Rio de Janeiro.

Mauricio se lembra que o jornalista Alberto Dines (1932-2018) foi ajudar Carlos Lacerda (1914-1977) na Tribuna da Imprensa. “Eles resolveram lutar por coisas brasileiras, colocando uma linha nacionalista no jornal. Me chamaram para fazer uma história em quadrinhos brasileira. Fiz o Piteco, o homenzinho pré-histórico”, diz.

“O pessoal da Folha me viu no jornal do Lacerda e concluiu: ‘Então o Mauricio não é comunista! Vamos chamá-lo para nosso projeto de suplemento infantil?’”

Em 1963, ano em que criou a personagem Mônica, Mauricio foi convidado pela Folha para criar, junto com a jornalista Lenita Miranda de Figueiredo, 92, a Tia Lenita, o suplemento infantil Folhinha.

“Durante 30 anos, desenhei o Horácio semanalmente, além de lançar outras tiras na Folha.” Começou assim o processo pelo qual passou a distribuir para publicações de outras cidades o mesmo material publicado em São Paulo. “Depois de quatro anos, eu estava em 400 jornais de norte a sul do país.”
Em 1987, Mauricio passou a ilustrar o suplemento infantil de O Estado de S. Paulo, o Estadinho. O jornal publica tiras da Turma da Mônica até hoje.

Atualmente, o cartunista, que criou cerca de 500 personagens, é dono da Mauricio de Sousa Produções, empresa responsável pela criação, comercialização e distribuição de uma série de produtos, inclusive para o mercado internacional.

Os quadrinhos e seus personagens foram adaptados para TV, cinema, games e aplicativos, e tornaram-se conhecidos por milhões de crianças.

Todo esse movimento gerou números portentosos: mais de 1 bilhão de revistas publicadas, 3.000 produtos licenciados e mais de 2,2 bilhões de visualizações de seus desenhos no YouTube.

Um verdadeiro império que começou com uma história pouco auspiciosa na Folha, mas que carrega um final feliz, ainda longe de terminar.


Este texto faz parte do projeto Humanos da Folha, que apresenta perfis de profissionais que fizeram história no jornal.

Humanos da Folha

Conheça a história de profissionais que trabalharam no jornal

  1. Com 50 anos de carreira, Passarelli ganhou Prêmio Esso de Fotografia inédito para a Folha

  2. Fotógrafo se consagrou com imagem das Diretas-Já que foi capa da Folha

  3. 'Era elogiada por fotografar igual a homem', lembra Renata Falzoni

  4. Entre patos e formigas, obra de Ciça compõe fábula política do Brasil

  5. Fotógrafo da Folha se consagrou com imagem histórica do general Costa e Silva

  6. Morre o jornalista Celso Pinto, criador do jornal Valor Econômico, aos 67 anos

  7. Fotógrafo da Folha escondeu filme para retratar sessão de eletrochoque em manicômio

  8. Morto há uma década, Glauco unia humor ácido e carinho por personagens

  9. Editora da Ilustrada fez caderno 'da cultura e da frescura' nos anos 70

  10. História de êxito de Mauricio de Sousa começou como repórter policial na Folha

  11. Clóvis Rossi estaria indignado com a realidade brasileira, diz filha

  12. Me viam como 'patricinha', diz Joyce Pascowitch, que inovou o jeito de fazer coluna social nos anos 80

  13. Elvira Lobato revelou poço para teste de bomba atômica e império da Igreja Universal

  14. Fortuna se consagrou como 'o cartunista dos cartunistas'

  15. Com estrela de xerife, Caversan ocupou diversos cargos de edição na Folha

  16. Erika Palomino inovou na cobertura da noite paulistana

  17. Niels Andreas fotografou massacre do Carandiru e 50 anos de Israel

  18. Natali foi correspondente em Paris e uniu música e trabalho

  19. Dona Vicentina trabalhou como secretária na Folha durante mais de 5 décadas

  20. Fotógrafo se destacou nas coberturas do massacre de ianomâmis e da prisão de PC Farias

  21. Cláudio Abramo ajudou a renovar Folha nos anos turbulentos da ditadura

  22. Ilustrações de Mariza levaram o horror do cotidiano para as páginas do jornal

  23. Irreverente, Tarso de Castro criou o histórico Folhetim nos anos 1970

  24. Veemência das charges de Belmonte irritou até o regime nazista

  25. Boris assumiu Folha na fase mais tensa e conduziu travessia do jornal para o pós-ditadura

  26. Engenheiro ajudou Folha a se modernizar e atravessar transições tecnológicas

  27. Lenora de Barros promoveu renovação gráfica na Folha nos anos 1980

  28. Antônio Gaudério colecionou prêmios com fotos voltadas às questões sociais

  29. Bell Kranz levou temas considerados tabus para a Folhinha e o Folhateen

  30. Com poucos recursos, Olival Costa fundou Folha da Noite em 1921

  31. Sarcástico e culto, Bonalume cobriu ciência e conflitos pelo mundo por mais de 30 anos

  32. Coletti foi 'carrapato' de Jânio e teve prova de fogo na cobertura da visita de De Gaulle

  33. Apaixonado por cinema, seu Issa foi um precursor dos anúncios de filme no jornal

  34. João Bittar foi o editor que ajudou a levar fotógrafos da Folha para o mundo digital

  35. Pacato, Lourenço Diaféria publicou crônica que gerou crise com militares

  36. Moacyr Scliar fantasiava realidade em crônicas inspiradas em notícias da Folha

  37. Pioneiro na divulgação científica, José Reis incentivou presença de pesquisadores na mídia

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.