Descrição de chapéu Humanos da Folha

Com estrela de xerife, Caversan ocupou diversos cargos de edição na Folha

Jornalista paulistano foi editor, renovou a fotografia do jornal e atuou como colunista

São Paulo

Luiz Carlos Caversan nasceu na Vila Esperança, zona leste de São Paulo. Seu pai, Herminio, trabalhava como mecânico de manutenção. "Era o cara que, no chão da fábrica, fazia qualquer negócio para consertar ou montar máquinas", conta o jornalista, hoje com 65 anos.

retrato em preto e branco de homem sentando à mesa, com a mão no queixo, rindo. de frente a ele, duas jornalistas também riem
Luiz Caversan durante reunião na Redação da Folha em 1988 - Rubens Mano - 06.jun.1988/Folhapress

Mas foi com a mãe que ele começou a trabalhar. Julia foi costureira antes de se tornar feirante, profissão na qual iniciou o filho, com 14 anos. Vendiam agulhas, linhas e outros artigos para costura e depois passaram a comercializar roupas para senhoras.

Como a barraca da família era instalada sempre numa das pontas da feira, não era preciso montá-la tão cedo, como acontecia com as demais. Mesmo chegando ao local só por volta das 10h, o adolescente sofria para acordar.

"Já era um sinal de que eu trabalharia à noite, tinha vocação para jornalista. Sempre tive muita dificuldade para acordar cedo".

A mãe vendia bem, Caversan nem tanto. Mas o garoto aprendeu algumas lições. "A maior foi lidar com todo tipo de gente e respeitar essas diferenças. Na feira, não tem raça, nem idade."

Mais decisivo, no entanto, para que posteriormente se tornasse jornalista foi o trabalho que conseguiu como office boy, que passou a conciliar com a vida de feirante a partir dos 15 anos. Como boy, conheceu a São Paulo dos anos 1970 de cabo a rabo e aprendeu a datilografar.

Quem conseguiu esse trabalho para ele foi o primo Waldo, que tinha sido motorista da Folha e sempre presenteava o garoto com exemplares da Folhinha.

Desde os tempos da feira, Caversan ouvia muito rádio e lia o jornal Folha da Tarde. Mas foi uma famosa frase do apresentador Chacrinha (1917-1988) que aguçou sua vontade de trabalhar numa Redação: "Quem não se comunica se trumbica".

"Começaram a pintar uns papos de comunicação de massa. Eu era meio hippie e lia poemas, como o que dizia 'A massa me amassa'. E essa frase do Chacrinha me abalou", lembra.

Começou a estudar no colégio Equipe para se preparar para o vestibular e, em meados de 1974, ingressou no curso de jornalismo da faculdade Cásper Líbero.

Durante o curso, conseguiu uma vaga de revisor em O Estado de S. Paulo, onde depois assumiu a função de repórter.

Saiu do jornal em 1983 para montar uma produtora de shows de rock. Foi bem-sucedido na empreitada até que, segundo ele, um dos sócios deu um golpe em toda a equipe. Sem trabalho e sem dinheiro, pediu para trabalhar na Folha

Começou no jornal em dezembro de 1983 como revisor, passou a repórter e logo se tornou editor de Educação e Ciência.

Poucos meses depois, Otavio Frias Filho (1957-2018) assumiu o cargo de diretor de Redação. "Eu trabalhava como secretário-assistente de Redação quando teve início o processo de implantação do Projeto Folha", conta Caversan, que se envolveu profundamente nessa reorganização. "Foi bem complicado."

A sistematização de procedimentos pouco empregados no jornalismo brasileiro —como a necessidade de contextualizar os fatos, ouvir os vários lados da notícia e a preocupação em criar recursos infográficos— foi alvo de rejeição de boa parte dos profissionais do jornal.

"Os caras [jornalistas da Folha] diziam que futebol era arte e argumentavam que não tinha a menor importância a 'posse de bola' ou quem mais 'chutou a gol', por exemplo", diz Caversan, que supervisionava o trabalho de implantação dos novos padrões.

Com atribuições difíceis como essa, passou a ser mais prestigiado pela direção do jornal. Recebeu muitas vezes das mãos de Otavio uma estrelinha de xerife, feita de papelão, sempre que assumia editorias problemáticas.

Ao longo de 21 anos de serviços prestados à Folha, exerceu diversos cargos de edição, renovou o departamento de fotografia do jornal e atuou como colunista.

Editou, entre outros cadernos, Ilustrada, Política, Economia, Esportes, Cotidiano, Educação e Ciência e Suplementos. Também comandou áreas como TV Folha e Projetos Especiais. A editoria mais difícil?

"Todas tinham um abacaxi para descascar ou um pepino para resolver. Ainda bem que fui feirante", brinca.

Durante uma década, Caversan foi diretor da sucursal da Folha no Rio. Foi um período em que recebeu ameaças de morte pelas reportagens da chacina da Candelária, acompanhou arrastões e cobriu a Eco-92 (Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento).

Também foi nessa época que "grudou como carrapato" em Fernando Collor. "Acompanhei toda a trajetória dele como candidato até ser eleito. Era tresloucado. Eu sabia que seria um desastre para o país se ele fosse eleito presidente."

Nada lhe dava tanto prazer no jornalismo quanto fazer os títulos das reportagens. Ele se diverte ao dizer que existem dois enunciados que gostaria de ter feito: "Papa pede paz para povo palestino" e "Brasileiras batem as checas".

Caversan saiu da Folha em 2004 e, atualmente, mora em um sítio próximo a São Roque, onde cria galinhas, tem dois gatos e dois cachorros.

Ainda é requisitado para dar consultorias para empresas, procura se manter bem informado, mas parou de ler jornais cotidianamente. "A imprensa tinha uma comunicação consolidada com valores e técnica. Com a internet, a mídia tradicional foi contaminada pela superficialidade, pela ligeireza e pela falta de qualidade da mídia digital. Por isso, não leio mais jornais, mas sinto falta da Redação, do fechamento porque jornalismo é um vício."

LUIZ CARLOS CAVERSAN, 65

Nascido em São Paulo, o jornalista começou a trabalhar em 1983 na Folha, onde permaneceu por 21 anos. Sob a liderança de Otavio Frias Filho, Caversan foi um dos responsáveis pela implantação do Projeto Folha, que revolucionou o jornalismo brasileiro na década de 1980. Atuou como editor de cadernos como Educação e Ciência, Ilustrada, Esporte e Suplementos, e dirigiu a sucursal do jornal no Rio. Também foi colunista.

Este texto faz parte do projeto Humanos da Folha, que apresenta perfis de profissionais que fizeram história no jornal.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.