Descrição de chapéu Folha, 100 Humanos da Folha

Gentil, secretária de Otavio Frias Filho atuou como bússola e anteparo

Ana Keli de Oliveira trabalhou com o diretor de Redação por quase 25 anos

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Para além de um grande furo de reportagem ou de uma informação bombástica, só havia um evento capaz de interromper o fluxo de informação e trabalho de um jornalista na Redação da Folha. Era quando o telefone tocava e, do outro lado da linha, ouvia-se a voz aveludada e a pronúncia precisa de Ana Keli de Oliveira.

Durante quase 25 anos, Keli foi secretária-executiva de Otavio Frias Filho, diretor de Redação da Folha de 1984 a 2018, ano em que ele morreu. Era ela quem trazia a repórteres e editores recados do chefe, quando não o próprio chefe em linha —o que colocava tudo mais em suspenso.

Altamente exigente, Otavio distribuía mais críticas do que elogios, e era Keli quem intermediava essa pressão. A depender do interlocutor, da urgência ou da gravidade do assunto, ela podia adiantar o teor da conversa e o humor do chefe em relação a ela. “Se prepara que vem chumbo grosso”, antecipou certa vez para um editor pouco antes de passar a ligação.

“Passei a minha carreira inteira tentando desmitificar a figura do Otavio”, diz. “Falava-se que ele era isso ou aquilo, mas o Otavio era só mais uma pessoa. Por isso eu encorajava os jornalistas a falarem mais diretamente com ele”, conta.

Ana Keli de Oliveira na Redação da Folha, onde foi secretaria-executiva de Otavio Frias Filho por quase 25 anos - Eduardo Knapp/Folhapress

“Eu gelava cada vez que a Keli me ligava porque eu sempre ficava nervosa em falar com o Otavio. Só que, chegando lá na sala da direção de Redação, a tranquilidade e a gentileza dela sempre me acalmavam”, conta Erika Palomino, que fez história na Folha com a coluna Noite Ilustrada, de 1992 a 2005, e hoje é diretora do Centro Cultural São Paulo. “Sempre achei ela o máximo. Com sua elegância natural, ela já colocava mesmo uma moral em quem chegava ali.”

Embaixadora do chefe, Keli criava pontes e operava contenções com a mesma cordialidade e respeito. Se, por um lado, ela aproximava editores e jornalistas do diretor de Redação, por outro era parte do seu trabalho selecionar a enxurrada de demandas para ele, que chegavam todos os dias por e-mail, carta e telefone. Elas nunca ficavam sem resposta —especialmente quando vinham de leitores.

Atuou como uma espécie de chefe de gabinete, despachando e monitorando pedidos e compromissos, à frente de uma equipe de à época duas assistentes, dois auxiliares administrativos e três auxiliares de Redação.

Keli declinava convites despropositados e contornava insistências descabidas e, às vezes, a um sinal do chefe, Keli contava cinco minutos e interrompia a conversa do momento, anunciando o início de uma reunião inexistente numa sala de outro andar.

“A Keli era um muro de flores”, brinca o escritor e jornalista Bernardo Ajzenberg, que foi secretário de Redação e ombudsman na Folha no início dos anos 2000. “Isso quer dizer que ela servia de anteparo e era firme nessa função, que era mais do que necessária. Ao mesmo tempo, era de flores porque sempre muito educada e cortez”, explica.

Ajzenberg descreve a secretária-executiva de Otavio Frias Filho como alguém “de um profissionalismo radical” e de “total confiança”, que sabia “distinguir o que era ou não importante ou urgente” e que, portanto, “oferecia uma bússola dentro do mar tumultuoso que é a Redação de um jornal”.

Keli se lembra bem do tamanho da ficha que caiu para ela no dia em que o ex-ombudsman veio se despedir. “Ele me agradeceu pelo meu trabalho e por ter sempre proporcionado o melhor contato dele com Otavio. E foi quando eu ganhei consciência do poder que eu tinha naquela posição.”

Ela conta que percebia esse poder nos telefonemas que dava cotidianamente a profissionais da casa e também nos olhares das pessoas na Redação. “Sempre me preocupei em não fazer uso do poder inerente à minha posição na empresa e busquei quebrar protocolos, chamando as pessoas para tomar um café na máquina que ficava na minha sala, colada na sala do Otavio”, conta.

Mas Keli não chamava a atenção só por ser uma extensão do próprio chefe. Negra de pele escura numa Redação quase toda branca, Keli se destacava ainda por ser uma mulher bonita e dada a looks exuberantes. Uma fashionista “avant la lettre”, que vestia dourado, brilho e estampas de animais muito antes de elas ganharem status nas passarelas da moda. Era impossível não notá-la.

“A Keli era um fundamento da Redação”, avalia Palomino, colunista de moda pioneira do jornal. “De certa maneira, ela antecipou a tendência do afrofuturismo, com seus looks super empoderados e cheios de personalidade. Isso num tempo em que a Redação era bem careta na forma de se vestir.”

Keli conta nunca ter sofrido racismo no trabalho, mas mantém viva na memória a reação de um dirigente do grupo ultraconservador TFP (Tradição, Família e Propriedade) que, depois de meses de conversas ao telefone com ela, resolveu aparecer de surpresa na sede da Folha. Keli pediu que o encaminhassem a uma sala, para onde foi explicar que não era possível falar com Otavio sem hora marcada.

“Eu entrei na sala: negra, de calça rasgada e com uma bota de salto altíssimo e estampa de bicho. Ele me olhou de cima a baixo, estupefato, e perguntou quem eu era. ‘Sou Keli, secretária do Otávio’”, lembra ela. “Ele mal conseguia falar”, gargalha.

Criada em Guarulhos, na Grande São Paulo, filha de uma dona de casa e de um funcionário público, Keli conheceu ainda criança, nas aulas de balé, a amiga que a levaria anos depois para a Folha.

Renata Aparecida dos Santos, hoje secretária-executiva do atual diretor de Redação, Sérgio Dávila, conta que sempre quis trabalhar na Folha, enquanto Keli sempre quis ser secretária-executiva.

“Ela acabou me arrastando para o curso técnico de secretariado e eu, depois, acabei levando ela para a Folha”, conta Renata, que soube de uma vaga no departamento de publicidade e indicou a amiga de infância.

Depois de dois anos, surgiu uma vaga de assistente na Secretaria de Redação e, pouco depois, o cargo pelo qual se notabilizou. “Otavio tinha uma memória absurda e queria atender a todos os pedidos individualmente. Eu me sentia colocada à prova a todo instante.”

Keli deixou o jornal alguns meses depois da morte de Otavio e, desde então, trabalha nos projetos da viúva do jornalista, Fernanda Diamant: a livraria Megafauna e a editora Fósforo.

Da longa experiência cotidiana, Keli carrega sua visão particular sobre o jornalismo.

“O jornalismo para mim é um elo importante dos cidadãos com a vida e o mundo, em suas mais diversas facetas. Tem essa capacidade de nos conectar com o que está acontecendo, permitindo que formemos opiniões e tomemos posições sobre as coisas”, avalia.

“Aprendi muito sobre a responsabilidade do jornalismo. Tanto é que hoje, para mim, é muito difícil ouvir as pessoas falarem mal da imprensa”, diz.

“Porque eu vivi 25 anos dentro disso, e sei que a imprensa está sujeita a cometer equívocos, sim. Mas sei também que a imprensa que eu testemunhei é muito comprometida com a verdade e com a responsabilidade de levá-la ao seu leitor.”

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.