O dia em que a Folha esqueceu o Oscar que não aconteceu

Em 1981, série de desencontros impediu que o prêmio do cinema chegasse à capa da Ilustrada

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Na manhã de 30 de março de 1981, dia da festa do Oscar, o telefone da então editora da Ilustrada, Helô Machado, tocou e a despertou do sono tranquilo de quem havia tido um fim de semana de folga.

Do outro lado da linha, segundo o relato de Helô, estava um furioso Boris Casoy, à época editor-responsável da Folha: "Você está louca?! Quer acabar comigo?! Você viu o que fez? O mundo inteiro deu o Oscar, só você não deu!".

mulher de cabelos vermelhos sentada em saguão, sorrindo enquanto olha para o lado
Helô Machado durante sessão para convidados do espetáculo "Alma Despejada", no Teatro Folha, em 2020 - Mathilde Missioneiro - 09.jan.2020/Folhapress

Enquanto seu chefe berrava ao telefone, ela correu para buscar a edição daquela segunda-feira para tentar entender o que havia acontecido. Afinal, deixara tudo combinado na semana anterior: o editor-adjunto da Ilustrada, Moacir Amâncio, responsável pelo fechamento de domingo, deveria buscar na casa do crítico de cinema Orlando Fassoni o texto sobre o Oscar.

Enquanto Helô desfrutava do descanso, aconteceu uma série de desencontros: o crítico que viajou e deixou com o vizinho a reportagem de capa da Ilustrada; um bilhete de aviso que se perdeu; um motoboy que tocou a campainha muitas vezes e voltou de mãos abanando; um editor que não tinha telefone.

E assim a Folha deixou de apresentar a cerimônia do Oscar naquela edição. No lugar do texto de Fassoni, uma reportagem sobre a poeta Olga Savary.

Envergonhada, Helô chegou à Redação decidida. "Vou resolver me demitindo e, antes, vou demitir o Moacir", lembra. Os dois concordaram em assumir o erro, sem desculpas. Mas antes de deixar o emprego, eles fechariam a edição do dia seguinte.

Foi então que o acaso sorriu para os editores da Ilustrada. Casoy se aproximou da mesa de Hêlo: "Mas você tem uma sorte... Você deve ter ligação com o FBI!".

O Oscar não aconteceria, pois o presidente Ronald Reagan fora baleado. "Helô, vai ser amanhã", comunicou o editor-responsável. No dia seguinte, o título da capa da Ilustrada era: "Atentado a Reagan adia para hoje a festa do Oscar".

"Hoje, enfim, o Oscar", resume Helô.

Equipe da Ilustrada na redação em 1980
Equipe da Ilustrada em 1980, da esquerda para a direita, os jornalistas Moacir Amâncio, Gabriel Priolli (sentado, de barba), Jair de Oliveira (diagramador), Helô Machado (editora), Flávio Rangel, Dirceu Soares (atrás), Orlando Fassoni, Fernando Morgado, Lígia Sanches, Cláudio Pucci, Vera Artaxo (atrás), Cida Taiar e José Antonio - Heloísa Machado/Arquivo Pessoal
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.