Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
28/01/2005 - 10h27

Filho de fumante teria maior risco de contrair câncer no pulmão

da BBC Brasil

Crianças expostas à fumaça de cigarro em casa têm uma probabilidade muito maior de desenvolver câncer no pulmão na vida adulta do que as crianças que vivem em casas de não-fumantes, afirma uma pesquisa.

Os menores que ficam muitas horas em contato com a fumaça, diariamente, são os mais vulneráveis. O risco que eles correm de contrair a doença é 3,63 vezes maior do que aqueles que vivem em ambientes livres de fumaça, segundo o estudo publicado no "British Medical Journal".

A pesquisa constatou que crianças consideradas "fumantes passivas", mas que inalam fumaça poucas vezes por semana, têm uma probabilidade 1,45 vezes maior de desenvolver câncer no pulmão.

Mais de 300 mil voluntários de várias partes da Europa participaram do estudo, considerado um dos mais amplos já realizados sobre fumantes passivos. Alguns dos participantes jamais haviam fumado, e outros haviam abandonado o hábito pelo menos dez anos antes da pesquisa.

Cerca de um terço deles forneceram informações sobre o fumo passivo, e os pesquisadores buscaram informações sobre seu estado de saúde durante sete anos.

O estudo concluiu ainda que ex-fumantes enfrentaram um risco duas vezes maior de desenvolver doenças respiratórias por causa do fumo passivo do que os que nunca fumaram.

Isso pode estar relacionado ao fato de seus pulmões já estarem danificados, disseram os pesquisadores.

Leia mais
  • Misterioso câncer facial pode eliminar diabo da tasmânia
  • Pessoas menos ativas têm predisposição à obesidade, diz estudo

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre fumantes passivos
  • Leia o que já foi publicado sobre câncer de pulmão
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página