Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
27/12/2005 - 16h36

Próximo ano vai começar com um segundo de atraso

da BBC Brasil

Cientistas do Observatório de Paris determinaram que o ano de 2006 vai começar com um segundo de atraso, para manter os relógios sincronizados com a rotação da Terra.

O Observatório de Paris dá um parecer semestral indicando se é necessário adicionar ou retirar um segundo dos relógios atômicos, utilizados como padrão de tempo.

Desde 1972, quando o mundo começou a adotar o atual modelo de estabelecimento da hora com base em relógios atômicos, já foram adicionados 22 segundos ao chamado Tempo Coordenado Universal, conhecido internacionalmente pela sigla UTC.

À meia-noite do dia 31 de dezembro, um segundo será adicionado aos relógios de todo o mundo. Nos relógios atômicos que registram a hora em UTC, esse segundo virá depois do segundo 23h59'59" do dia 31, e antes do 0h00'00" do dia primeiro de janeiro.

Atualmente, a hora de Brasília é duas horas a menos que a hora UTC, o que significa que o segundo deve cair entre as 21h59'59" e as 22h00'00" da noite de Réveillon.

Lentidão

Fatores periódicos fazem a rotação da Terra ficar mais lenta, o que significa que o tempo solar tende a sair da sincronia com os relógios atômicos.

A correção é necessária porque, sem ela, em pouco tempo a diferença entre os relógios atômicos e o tempo real, baseado na rotação terrestre, aumentaria e tornaria imprecisos softwares utilizados por astrônomos.

Atualmente, 250 relógios atômicos em todo o mundo são usados para calcular a UTC e serão ajustados com um segundo a mais neste ano, de acordo com o observatório de Paris.

Pesquisadores do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos Estados Unidos aproveitaram a novidade para ressaltar seu lado positivo. "Comemore o Ano Novo durante um segundo a mais", disseram eles em uma mensagem colocada na página na internet da instituição.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o Réveillon
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página