Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
04/08/2006 - 09h26

Leia repercussão internacional sobre o conflito no Líbano

da BBC

Uma reportagem publicada nesta sexta-feira no diário britânico "Financial Times" enxerga o conflito no Líbano como sintoma de uma política equivocada dos Estados Unidos para o Oriente Médio.

O artigo compara o cenário otimista de março de 2005 --quando milhares de libaneses saíram às ruas pedindo o fim da influência Síria no Líbano-- com a imagem "radicalmente transformada" de julho de 2006.

À época, os libaneses protestavam contra uma Síria vista como altamente implicada na morte do ex-premiê libanês Rafiq Hariri. Em Washington, as demonstrações eram vistas "como evidência de um Oriente Médio em período de mudança, um golpe contra o radicalismo, e uma defesa do impulso americano à liberdade", escrevem os repórteres do Financial Times.

Amplas eleições municipais pela primeira vez na Arábia Saudita e a passagem do poder nos territórios palestinos ao "moderado Mahmoud Abbas" levavam água ao moinho do otimismo.

Um ano depois, o conflito no Líbano, a chegada ao poder do Hamas nos territórios palestinos, a escalada da violência no Iraque e a reversão da tendência à democracia no Egito alimentam uma conclusão pessimista do jornal.

"Há um ano, florescia a visão da Casa Branca de que a democracia estava se disseminando. Hoje tudo está morto."

Comunidade internacional

O pessimismo e a crítica à política externa da grande potência são compartilhados pelos diários "The Independent", de Londres, e "Libération", de Paris.

O jornal londrino estampa em sua capa um jogo de liga-pontos, com fotos do Afeganistão, Iraque, territórios palestinos, Israel e Líbano, e ironiza uma frase do primeiro-ministro britânico Blair: "é hora de ligar os pontos corretamente ao redor do mundo", disse o premiê.

Com uma capa também forte, o jornal francês estampa um soldado israelense dentro de um tanque de guerra, e titula: "Terra queimada".

Em editorial, o "Libération" questiona a maneira como a diplomacia internacional vem conduzindo as negociações para a crise.

"O fato de estas negociações ocorrerem enquanto os canhões ainda soam constitui um fracasso inicial do que ninguém mais se atreve a chamar de 'comunidade internacional'."

Para o alemão "Der Tagesspiegel", Israel "tinha de reagir", mas "caiu numa armadilha de guerrilhas".

"A história nos ensina que guerrilheiros quase nunca são derrotados, que no longo termo esses 'Davids' derrotam os 'Golias' pela estratégia do cansaço", dizem os editorialistas alemães.

Irã

O israelense "Haartez" lamenta que o conflito no Líbano tenha tirado a atenção de Israel para a resolução sobre o Irã aprovada no Conselho de Segurança da ONU no início da semana.

O órgão exige que Teerã suspenda suas operações de enriquecimento de urânio até o fim deste mês.

Para o "Haartez", é significativo que a resolução tenha sido aprovada durante o conflito no Líbano, já que muitos interlocutores acusam o regime iraniano de fortalecer o Hizbollah.

O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, chegou até a afirmar que o atual conflito foi iniciado para tirar do Irã as atenções da comunidade internacional.

"Israel, que vê o programa nuclear iraniano como a ameaça mais grave à sua existência e segurança, não deve ignorar a conexão entre os campos de batalha além da fronteira e as instalações de enriquecimento de urânio em Natanz", escreve.

"A derrota do Hizbollah no atual conflito servirá como um alerta para o Irã."

Leia mais
  • Ouça relatos de brasileiros no Líbano e em Israel
  • Veja cronologia dos confrontos

    Especial
  • Leia mais sobre a Guerra no Oriente Médio
  • Veja fotos da atual onda de violência entre Israel e Líbano
  • Leia o que já foi publicado sobre a crise entre Israel e Líbano
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página