Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/01/2007 - 13h59

Cientistas lançam ação para proteger espécies 'distintas'

da BBC Brasil

Um programa de conservação para alguns dos animais mais curiosos do planeta foi lançado nesta terça-feira pela Sociedade Zoológica de Londres (ZSL, em inglês).

Espécies como o morcego-abelha e o hipopótamo-pigmeu serão protegidas pelo projeto para proteger animais com Distinção Evolucionária e Ameaçados Globalmente (Edge, em inglês)

O esquema tem como alvo animais com histórias evolucionárias incomuns que enfrentam um risco real de extinção.

Veja as imagens dos animais ameaçados

VejaAssista à reportagem

A ZSL disse que várias dessas espécies são ignoradas pelos atuais planos de conservação.

A Sociedade define os animais de Edge como os que possuem poucos parentes, são geneticamente distintos e requerem ação imediata para salvá-los da extinção.

'Único'

"As pessoas falam sobre espécies únicas como especialmente importantes para a conservação há muito tempo, mas tem sido difícil integrá-los ao planejamento de conservação", disse Jonathan Baillie, o cientista que lidera a pesquisa.

"Este é o primeiro programa em escala global onde pudemos fazer isso."

A razão pela qual isso se tornou possível é o desenvolvimento de uma "super árvore" taxonômica que mostra a relação entre diferentes espécies.

"Então nós sabemos quais são os mais distintos evolucionariamente, e aí nós podemos combinar isso com o grau de ameaça", disse Baillie.

Cientistas identificaram um total de 564 espécies que entram dentro da nova definição, e o programa da ZSL vai se concentrar nos primeiros 100.

Para o primeiro ano, a ZSL identificou dez espécies que serão as primeiras a se beneficiarem da iniciativa.

O morcego-abelha (Craseonycterus thonglongyai) que, acredita-se, é o menor mamífero do mundo, está na lista dos beneficiários.

Acredita-se que ele seja o único membro da família de morcegos Craseonycterudae, e que o último ancestral que ele compartilhou com outra espécie foi há cerca de 43 milhões de anos.

Desde que foi identificada pela primeira vez, em 1974, a pequena criatura foi perturbada pelo interesse de colecionadores e turistas.

A principal ameaça ao animal é a queimada em florestas perto de seu habitat de cavernas no oeste da Tailândia e sudeste da Birmânia.

O loris delgado (Loris tardigradus), encontrado no sul do Sri Lanka, é outro dos animais beneficiados pelo projeto.

A ZSL disse que os vestígios de fósseis do loris remonta 20 milhões de anos.

Populações do pequeno primata estão declinando por causa do desmatamento e conservacionistas planejam restaurar o seu habitat e estabelecer corredores entre áreas fragmentadas de florestas.

Espécie 'Mona Lisa'

Baillie espera que a iniciativa ajude na conscientização sobre o problema desses pequenos animais.

"Eles representam linhagens inteiras. Se você pensar sobre as espécies Edge em termos do mundo da arte, será como perder uma Mona Lisa - eles são únicos e totalmente insubstituíveis."

"No momento, nós estamos nos concentrando em dez espécies para quem podemos realmente fazer uma diferença e nós estamos tentando levantar fundos para implementar medidas e conservação."

Para cada um dos animais, ele disse que o primeiro passo será enviar uma equipe de especialistas para a região para avaliar o estado da espécie.

Estudantes locais serão, depois, recrutados, para agir em prol do Edge para continuar com pesquisas, que serão usadas para formular estratégias para proteger as espécies.

Ele acrescenta que seu objetivo é ter planos de ação em lugar dos 100 animais selecionados pelo Edge dentro dos próximos cinco dias.

O programa será custeado por doações feitas pelo público que visitar um website com as últimas informações de campo e blogs dos conservacionistas que trabalham nos projetos.

O ZSL atualmente trabalha em um esquema semelhante para anfíbios, que a sociedade espera lançar num futuro próximo.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página