Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
08/03/2001 - 17h47

Moradores de Santos fazem romaria ao túmulo de Covas

Publicidade

da Agência Folha

Nesta quinta-feira, primeiro dia após o enterro de Mário Covas, a procura pelo túmulo do governador começou cedo. Antes mesmo da abertura do cemitério do Paquetá, às 7h, já havia pessoas diante do portão de entrada aguardando para visitar a sepultura, segundo o coordenador de cemitérios da prefeitura, Luiz Pallin.

De acordo com o coordenador, até a tarde cerca de 600 pessoas estiveram no local. No dia anterior, logo após o enterro, fechado ao público, 4.000 visitaram o túmulo em três horas.

Pallin afirmou que, enquanto não estragarem, as 650 coroas de flores remanescentes do enterro serão mantidas junto aos muros e ao corredor principal do Paquetá.

"Se tivesse um dinheirinho, comprava um maço de rosas para botar lá. Nunca entrei nesse cemitério, mas agora que o Mário Covas morreu vou vir sempre para acender uma vela para ele", disse a dona-de-casa Maria Senhora Borges dos Santos, 43.

O professor aposentado Ernesto Francisco José Prohaska, 68, levou uma filmadora para o Paquetá a fim de gravar imagens do que restou após o enterro.

"Não vim por curiosidade. É por solidariedade mesmo. Não é porque morreu, mas o Covas era tudo aquilo que hoje falam dele", afirmou.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Voltar ao topo da página