Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/06/2001 - 03h26

FHC viveu no exílio após o Movimento de 64

Publicidade

da Folha de S.Paulo

Fernando Henrique Cardoso foi para o exílio após o Movimento Militar de 1964. Ameaçado de prisão, FHC se ocultou no Guarujá e depois viajou para o Chile, onde viveu até 1967.

Aproximou-se então da Cepal (Comissão Econômica para a América Latina) e publicou em 67 "Desenvolvimento e Dependência na América Latina", com Enzo Faletto, que o tornou bastante conhecido nos EUA.

Do Chile, FHC seguiu para a França, retornando ao Brasil em 1968 para disputar a cátedra de ciência política na USP. Na época, passou a morar numa casa no Morumbi, bairro nobre de São Paulo. FHC obteve a cátedra, mas foi aposentado compulsoriamente com base no AI-5, de dezembro de 1968 (no ano passado, recebia R$ 5.450 de aposentadoria).

Em 1969, FHC liderou a criação do Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento), viabilizado graças a uma verba de US$ 180 mil que ele obteve da Fundação Ford, instituição que sustentou o Cebrap em seus primeiros anos.

Na época, o Cebrap funcionava como um centro de pesquisas próximo ao MDB, tendo sofrido um atentado a bomba em 1976. Além do Cebrap, FHC trabalhou na época no Centro de Estudos Latino-Americanos da Smithsonian Institution.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página