Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
27/02/2002 - 22h12

Funai defende que Paulinho Paiakan cumpra pena dentro da aldeia

Publicidade

da Agência Folha

A Funai (Fundação Nacional do Índio) defendeu nesta quarta-feira que cacique caiapó Paulinho Paiakan, condenado a seis anos de prisão, cumpra sua pena dentro da aldeia Aukre, no município de Redenção, sul do Pará.

Paiakan foi condenado em última instância judicial em 99 por ter estuprado a estudante Silvia Letícia, em 92, em Redenção.

O advogado da Funai, João Fulo, esteve ontem em Redenção para se reunir com os caciques da aldeia e negou que Paiakan irá se entregar à Polícia Federal.

Como Paiakan está dentro de uma reserva indígena, a competência para cumprir a ordem de prisão é da Polícia Federal.

"Não procede a informação de que ele [Paiakan] irá se entregar. A Funai defende que ele cumpra sua pena dentro de área indígena. Ele não pode ser julgado por uma lei que não é a dos índios. É um absurdo tirá-lo de seu habitat natural para um presídio", disse.

Em novembro do ano passado, o Ministério Público pediu e o juiz de Redenção, José Torquato, ordenou sua prisão. O cacique é considerado foragido da Justiça.

Segundo o administrador da Funai em Redenção, Leonardo Santos, o órgão dará apoio logístico caso a PF decida prender o cacique na aldeia.

No entanto, o superintendente da PF no Pará, Geraldo Araújo, disse que os agentes federais não entrarão na aldeia para prender Paiakan.

"Temos que cumprir a ordem judicial, mas não podemos agir com pressa. A prisão será cumprida na hora certa para evitar confronto", disse o delegado.

Desde de 99, quando esgotaram-se as possibilidades de sua defesa, Paiakan deixou a casa onde morava com a mulher em Redenção e se mudou para a aldeia.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página