Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/06/2007 - 10h45

Presidente deve ser informado de tudo o que acontece no Brasil, afirma Tarso

Publicidade

KÁTIA BRASIL
da Agência Folha, em Manaus

Questionado sobre o motivo de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter sido informado antes da Operação Xeque-Mate, o ministro da Justiça, Tarso Genro, disse ontem, em Manaus, que "presidente da República tem ser informado pelos ministros de tudo que é importante que ocorre no país".

Escuta telefônica da Polícia Federal interceptou Genival Inácio da Silva, o Vavá, irmão de Lula, falando com suspeitos da máfia dos caça-níqueis.

"O presidente da República tem que ser informado pelos seus ministros de tudo que é importante que ocorre no país. Esse é um dever do país. Se o ministro não fizer isso, ele é um incompetente", disse Tarso.

"Quanto à questão do irmão do presidente Lula, o Vavá, está reconhecido pela própria polícia que nada tem a ver com o centro da investigação, que foi uma relação ocasional dele que determinou o seu envolvimento no inquérito. Portanto não há nenhuma questão de fundo em relação ao Vavá... Obviamente, ele deve ser processado se a Justiça assim entender."

Em Macapá, Tarso negou a existência de qualquer projeto para restringir o uso de grampos pela PF: "Não existe nenhum projeto neste sentido, nada que possa atrapalhar o trabalho da polícia. Na verdade, estão sendo analisados os procedimentos adotados agora pela Polícia Federal, para corrigir possíveis erros e tirar os saldos positivos. Com isso estamos fortalecendo a instituição".

"O trabalho da polícia foi considerado um sucesso", disse Tarso. "Agora, o que não pode se admitir é que, numa operação em que mais de 70 pessoas foram presas, a imprensa dê destaque sobre para dois ou três telefones de Vavá."

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página