Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/11/2007 - 11h45

PTB deixa bloco governista e libera bancada do Senado para votar como quiser a CPMF

Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

O PTB decidiu nesta quinta-feira deixar o bloco do governo no Senado depois que o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) foi substituído na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) por ser contrário à prorrogação da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira). Por unanimidade, os sete integrantes do PTB no Senado também decidiram liberar a bancada na votação da CPMF --apesar da saída do bloco não representar o afastamento da base de apoio do governo no Congresso.

"A decisão de deixar o bloco é irreversível. Isso significa ter independência da base aliada. Não queremos ser tratados como partido de segunda categoria. Além do meu afastamento, já havia outros fatores que se acumulavam", disse Mozarildo.

A decisão do PTB foi uma espécie de desagravo a Mozarildo, que não escondeu sua irritação com a súbita substituição na CCJ provocada pela sua posição contrária à prorrogação da CPMF.

Apesar do episódio, Mozarildo disse que não guarda mágoas da líder do bloco governista no Senado, Ideli Salvatti (PT-SC) --responsável pela sua substituição. "Foi algo descortês e mentiroso porque a senadora não consultou o líder do PTB. Mas eu sou médico e mágoa só faz mal para quem tem."

O líder do PTB no Senado, Epitácio Cafeteira (MA), afirmou que a bancada terá independência a partir de agora na Casa Legislativa --sem obedecer às ordens da líder do bloco. "Vamos ter vida própria, não vamos ter uma pessoa que tira e bota membros das comissões", afirmou.

Além do PTB, o bloco governista no Senado é composto pelo PT, PR, PSB, PC do B, PRB e PP. Todos os partidos integram a base aliada do governo, mas alguns têm independência no Senado, como o PDT --que integra a base, mas não o bloco governista na Casa Legislativa.

CPMF

Como a bancada está dividida na votação da CPMF, decidiu liberar a bancada para que cada parlamentar escolha por conta própria se vai apoiar ou não a prorrogação do "imposto do cheque".

Mozarildo e o senador Romeu Tuma (PTB-SP) já anunciaram voto contrário à matéria, enquanto Cafeteira e o senador Sérgio Zambiazi (PTB-RS) definiram pelo voto favorável à prorrogação da CPMF.

Os demais integrantes do PTB ainda não revelaram como votarão --Gim Argello (DF), João Vicente Claudino (PTB-PI). O senador Fernando Collor de Mello (AL) está de licença e seu suplente, Euclydes Mello (PRB-AL) é de outro partido.

"O partido é institucionalmente contra o aumento de custos, mas não vai fechar questão. Cada um vota de acordo com a sua consciência", disse Cafeteira.

Mozarildo afirmou, porém, que apesar da bancada não ter fechado questão sobre a CPMF a executiva nacional do partido vai formalizar a decisão em reunião marcada para o dia 28.

"Vamos deixar completamente em aberto a votação da CPMF, até porque está em cima da hora da votação, não dá para discutir detalhadamente. Mas o governo não terá sete votos contra a CPMF porque a bancada está dividida", explicou Mozarildo.

Acompanhe as notícias em seu celular: digite wap.folha.com.br

Comentários dos leitores
Eduardo Giorgini (488) 27/01/2010 11h27
Eduardo Giorgini (488) 27/01/2010 11h27
Fim da estabilidade de servidores públicos seria uma saída respeitosa ao gargalo de crescimentoe diminuição de gastos.
Herança do Brasil colonial, serviço público fica refem de sindicatos que defendem, obviamente, somente aumentos de salarios e regalias e estão nem ai para a sociedade privada, que os sustentam.
Mas se pensar, precisamos de uma reforma generalizada, ou seja, um "Nascer de novo" que o torna totalmente inviavel.
Complicado a situação do Brasil.
[]s
Eduardo.
sem opinião
avalie fechar
Pedro Carvalho (2) 28/09/2009 13h40
Pedro Carvalho (2) 28/09/2009 13h40
É errado fazer essa divisão de quem merece mais ou quem merece menos, pois, a princípio, todos os partidos são iguais. No entanto, nós sabemos disso, que, se o DEM ou o PSDB estivesse no poder, ele também iriam fazer a mesma coisa. Isso sempre existirá nessa política pobre que é a brasileira. 1 opinião
avalie fechar
Hilton Leonel (6) 08/09/2009 18h15
Hilton Leonel (6) 08/09/2009 18h15
VIVA O PMDB: ESTÁ SEMPRE PRONTO PARA PREJUDICAR O POVO. QUE SAUDADE DE ULISSES
GUIMARÃES. O povo Brasileiro não aguenta mais.
sem opinião
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (6950)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página