Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
26/02/2008 - 22h41

Operação de combate ao desmatamento inclui Marcelândia (MT)

Publicidade

RODRIGO VARGAS
da Agência Folha, em Marcelândia

O município apontado pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) como o campeão dos desmatamentos na Amazônia no último semestre de 2007 vive a expectativa da chegada da Operação Arco de Fogo. Em Marcelândia (740 km de Cuiabá), o tema domina as conversas de seus 15 mil habitantes e não é tratado como mera possibilidade.

"A gente sabe que vem o pessoal porque aqui ficou na frente da lista das derrubadas, não é? O que ninguém sabe é quando", diz o madeireiro Neivo Jors, presidente da associação que reúne as 40 empresas do setor no município. "Estamos todos muito assustados e ansiosos."

Segundo ele, é pouco provável a repetição em Marcelândia dos episódios de violência registrados em Tailândia, no Pará. A "índole local", segundo ele, é "pacífica". "O povo daqui sempre levou paulada quieto, mesmo quando tem razão. Não acredito que haja qualquer problema. Mas torço para que venham com o objetivo de regularizar e não transformar a cidade inteira em criminosa."

O prefeito Adalberto Diamante (PR) diz que o município foi injustiçado ao figurar no topo da lista de desmatadores. "Seja no topo ou no último lugar, a verdade é que não deveríamos nem fazer parte deste grupo. O desmatamento, no nível apontado pelo Inpe, simplesmente não aconteceu. Agora vamos ver como esta operação vai tratar esta realidade."

Marcelândia tem hoje todo o seu território em litígio na Justiça, por conta de uma ação discriminatória proposta pelo Incra em 1982. "Isso significa que todo o município precisa de regularização. Se a operação tiver também o objetivo de corrigir esta pendência, será um caso de mal que virá para bem. Agora, se vierem com a intenção de provar a tese do Inpe, voltarão para casa desmoralizados", afirma o prefeito.

Comentários dos leitores
ernani sefton campos (136) 11/11/2009 09h41
ernani sefton campos (136) 11/11/2009 09h41
A discussão continua, como a "dos sexos dos anjos".
Assim, não se vai a lugar,algum.
Enquanto o Governo,tratar o assunto, de forma "política, para o Inglês, ver",não passaremos do desmatamento desordenado, e exploração dos recursos,concentração de rendas, etc...,ficará por aí.
A Amazônia e seu processo de desmatamento,requer, a meu ver, a constituição de uma COMISSÃO de notáveis, nas areas de infraestrutura,energia,agricultura,recursos naturais,engenharia de obras,e desenvolvimento sustentável,urbanismo e implantação de cidades e PESSOAS.
Estes, selecionados , reunidos e remunerados, para tal, elaborariam um PROJETO COMPLETO, incluindo o Gerenciamento do mesmo - um plano Marshall Tupiniquim - para Desenvolvimento, da região de abrangência, integrado, a fim de ocupação racional, autosustentável e harmonico.
" FOCO e Desenvolvimento TOTAL "
Teriamos aí, sim o maior PAC , do MUNDO , por 20 anos, futuros.
Até que poderia ocorrer,por osmose, o envolvimento
dos países vizinhos, que margeiam o rio Amazonas.
Dinheiro, pelo visto, não FALTA.Basta organizar e mandar " BALA ".
Aposto neste MEGA PROJETO, como Vitorioso.
sem opinião
avalie fechar
Rodrigo Vieira de Morais (175) 23/10/2009 15h33
Rodrigo Vieira de Morais (175) 23/10/2009 15h33
Gente, teremos que resolver os problemas ambientais, agora ou depois.
Existem diversas areas desmatadas que agora estão com pastagem degradada.
Grande parte dos ruralistas querem mesmo é vender madeira e lucrar muito. Depois vendem a terra aos pequenos produtores rurais (isto aconteceu e acontece em todo o Brasil).
Outra coisa, se o solo da amazonia não mudou, quando desmatarem aquilo-lá, vai tudo virar deserto.
O solo dos EUA e EUROPA é diferente daqui, possui quantidade de argila diferente e capacidade de armazenamento de água diferente, não dá para comparar.
Decisão técnica e não política.
Muitas ONGs são honestas mais que os políticos de plantão.
sem opinião
avalie fechar
Os Estados Unidos criam centenas de ONGs no Brasil que são financiadas em partes por eles, para proteger o meio ambiente. Será?..... Será mesmo que se preocupam tanto com o meio ambiente, ou a concorrência do Brasil no agronegócio esta incomodando. 12 opiniões
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (572)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página