Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/12/2002 - 06h19

"Você pode pensar, mas não pode agir"

da Folha de S.Paulo, em Ribeirão

"Você pode até pensar, mas não pode agir". A frase teria sido dita pelo coronel Carlos Alberto Brilhante Ulstra, em 1972, e não sai da cabeça da ex-guerrilheira e hoje autônoma em informática Maria Aparecida dos Santos, 55.

Integrante da ALN, de Carlos Marighella (1911-1969) _considerado muitas vezes o "inimigo número 1" do regime militar_, Maria Aparecida começou na organização em Ribeirão Preto (SP).

Ulstra foi o pivô de uma breve crise entre o Exército e o então presidente José Sarney, em 1985. Segundo Thomas Skidmore, no livro "Brasil: de Castelo a Tancredo", a deputada Bete Mendes reconheceu em Ulstra, à época adido militar no Uruguai, o homem que a torturou em 1970. Indignada, pediu a Sarney que o removesse do cargo. O general Leônidas Pires Gonçalves, ministro do Exército à época, não só o manteve no posto como também avisou que não demitiria nenhum outro militar acusado de tortura.

Folha - Quando você foi presa?
Maria Aparecida dos Santos
- Eu era estudante secundária em Ribeirão e já atuava na ALN. Quando soube das prisões aqui, fui para São Paulo. Acabei presa em 29 de setembro de 1969, aos 22 anos.

Folha - O que significa a indenização para você?
Maria Aparecida
- Tem importância política. No primeiro artigo dessa lei, o Estado assume legal, pública e moralmente o papel de terrorista. Na época, uma única desconfiança sobre um cidadão era motivo para prendê-lo e torturá-lo. Esse foi o crime que o Estado cometeu.

Folha - O que você sofreu?
Maria Aparecida
- Esse Estado desrespeitava todos os tipos de liberdades e os direitos humanos. Cinicamente, o pessoal da Oban [Operação Bandeirantes, braço com presença civil da repressão] nos dizia: "vocês podem pensar, mas não podem agir". É muito cruel. Quando fui solta, em 1972, o Ulstra me disse: "você será certamente procurada por seus colegas [da ALN]. Não caia na deles, você não terá segunda chance." Aí repetiu: "Você pode até pensar, mas não pode agir." Jamais esqueci.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página