Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
03/10/2004 - 07h31

Veja perfil de José Serra, que "lidera" empate técnico em São Paulo

Publicidade

da Folha Online

Líder da última pesquisa Datafolha para prefeito de São Paulo, com 37% das intenções de voto, o candidato da Coligação Ética e Trabalho (PSDB-PFL-PPS), José Serra, 64, é casado, pai de dois filhos e tem um neto. Tenta o cargo de prefeito de São Paulo pela terceira vez, após derrotas para Paulo Maluf (1992) e Celso Pitta (1996).

Natural de São Paulo, Serra iniciou o curso de engenharia civil na USP, o qual não foi concluído. Foi líder estudantil nos anos 60 e chegou à presidência da UNE (União Nacional dos Estudantes) em 1963.

Em 1964, em razão do golpe militar no país, exilou-se e passou pela Bolívia, Uruguai e Chile, onde iniciou sua carreira acadêmica. Cursou economia na Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe) e fez mestrado na Universidade do Chile, onde foi professor entre 1968 a 1973. No ano seguinte, foi aos EUA, onde fez doutorado na Cornell University.

De volta ao Brasil após 14 anos no exílio, tornou-se professor na Unicamp (Universidade de Campinas). Serra iniciou sua vida política como secretário de Economia e Planejamento do Estado de São Paulo, em 1983, durante o governo Franco Montoro (1983-1987). Três anos depois, foi eleito deputado federal e, em 1990, reeleito.

Na Assembléia Constituinte, foi autor do artigo que determinou a realização de um plebiscito sobre qual regime de governo o país seguiria (presidencialismo, parlamentarismo ou monarquia) e da emenda que criou a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias). No mandato seguinte, o institui o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), que ajudou a viabilizar o seguro-desemprego.

Em 1994, foi eleito senador com 6,5 milhões de votos. No ano seguinte, porém, deixou o cargo para integrar a equipe do então presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).

Foi ministro do Planejamento de 1995 a 1996 e deixou a pasta para concorrer à Prefeitura de São Paulo. À época, era crítico da política econômica do ministro Pedro Malan (Fazenda).

Voltou ao governo em 1998 como ministro da Saúde, onde permaneceu até fevereiro de 2002. Entre suas principais ações, liberou os medicamentos genéricos e defendeu uma política de combate à Aids.

A última eleição que disputou foi para a presidência da República, em 2002, na qual perdeu para o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Obteve mais de 33 milhões no segundo turno, dos quais 2,9 milhões na cidade de São Paulo --127.000 a menos que Lula.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre José Serra
  • Veja as últimas pesquisas no site Datafolha
  • Leia mais notícias no especial Eleições 2004
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página