Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
30/06/2005 - 18h23

Jefferson entra em contradição e nega que Molina tenha feito chantagem

Publicidade

FELIPE RECONDO
da Folha Online, em Brasília

O deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ) entrou em contradição ao comentar a conversa que teve com o consultor Arlindo Molina em seu gabinete, em abril, ao tratar da fita em que o ex-funcionário dos Correios, Maurício Marinho, aparece recebendo R$ 3.000. Ao Conselho de Ética da Câmara, Jefferson disse ter sido chantageado por Molina. Desta vez, Jefferson mudou a versão. "Ele não me chantageou nem me ameaçou", afirmou.

Segundo o primeiro relato do deputado, feito no Conselho de Ética, o consultor teria pedido dinheiro para entregar a fita em que o nome de Jefferson é citado como avalista do suposto esquema de corrupção na estatal.

Sérgio Lima/FI
Roberto Jefferson depõe com o olho roxo e inchado
Roberto Jefferson depõe com o olho roxo e inchado
Nesta quinta-feira, em seu depoimento à CPI, Jefferson afirmou que Molina teria ido a seu gabinete para falar sobre a existência da fita e teria sido expulso da sala.

Ontem, Molina, prestou depoimento à CPI dos Correios e negou ter tentado extorquir Jefferson. O consultor sustentou que foi à sala do deputado para tratar de um assunto da Prefeitura de Belém, onde desenvolve projetos, e teria mencionado a existência da fita quando já se encaminhava para a porta de saída da gabinete.

De acordo com o relato de Molina, Jefferson teria entrelaçado o braço com ele e conversado por apenas dois minutos sobre o assunto.

Leia mais
  • Jefferson intimida congressistas ao falar sobre financiamento de campanha
  • Jefferson vai depor à CPI com o olho roxo
  • CPI quebra sigilos de Marinho, Fernanda Karina e de mulher de Valério
  • PF vai investigar denúncias de caixa dois para PT em Furnas

    Especial
  • Leia a cobertura completa sobre o caso da mesada no Congresso
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página