Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/08/2005 - 16h02

Advogado de Toninho da Barcelona quer acordo para passar informações

Publicidade

LÚCIA BAKOS
da Folha Online

Os integrantes da CPI dos Correios poderão sair frustrados hoje do depoimento do doleiro Antônio Oliveira Claramunt, o Toninho da Barcelona. Segundo Ricardo Sayeg, um de seus advogados, o doleiro, que cumpre pena por evasão de divisas em Avaré, quer primeiro negociar um acordo com o Ministério Público. Toninho da Barcelona foi levado nesta terça-feira para a Delegacia Geral de Polícia em São Paulo para falar aos congressistas.

Segundo Sayeg, seu cliente não deverá passar aos integrantes da CPI muitos detalhes sobre o suposto envio de dinheiro para o exterior feito pelo PT. De acordo com reportagem da revista "Veja" desta semana, Toninho da Barcelona teria informações de que as remessas ao exterior teriam crescido durante a década de 90 e se utilizam de duas instituições, a Trade Link Bank, localizada nas Ilhas Cayman, e uma empresa offshore criada no Panamá, ambos paraísos fiscais.

E.Knapp/Folha Imagem
O doleiro Toninho da Barcelona
O doleiro Toninho da Barcelona
Sayeg disse que o doleiro já pediu anteriormente para ser beneficiado com algum acordo como a delação premiada --mecanismo pelo qual um réu diz o que sabe em troca de um alívio na pena--, mas não foi atendido.

"Ele fez um requerimento formal para o procurador-geral da República suscitando incidente formal de colaboração voluntária e efetiva. Ele precisa dessas garantias para poder falar. E ele pretende falar na CPI para a toda a população", disse Sayeg. "Hoje ele vai falar o que tem condições para os parlamentares", continuou, sem detalhar as informações que seriam passadas.

Depoimento público

O deputado José Eduardo Cardozo (PT-SP), que acompanha o depoimento, disse que a intenção de ouvir o doleiro é investigar se as informações que serão passadas por ele são verdadeiras.

"Na verdade, é uma avaliação preliminar, nós queremos ouvi-lo para verificar quais são as informações que ele tem a dar. Avaliada a relevância do depoimento, nós vamos convocá-lo para prestar depoimento na CPI em Brasília", disse.

Segundo o deputado, a expectativa é grande entre os parlamentares. "Expectativa há das informações que ele diz ser relevante. Na medida em que se confirmar que são realmente relevantes e que possam contribuir para a busca da verdade, nós o convocaremos para prestar depoimento no plenário".

Em relação à negociação para uma possível delação premiada, Cardozo disse que Toninho da Barcelona "tem o direito de não falar, mas será muito frustrante da nossa parte porque acho que ele tem muito a falar". "Eu adoraria inclusive que o depoimento fosse aberto porque ele pode revelar situações de envio de dinheiro que realmente ficaram caracterizados com o depoimento de Duda Mendonça."

Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a CPI dos Correios
  • Leia a cobertura completa sobre o caso do "mensalão"
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página