Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/07/2006 - 15h43

PSOL vai pedir cassação de mais dois sanguessugas

Publicidade

ANDREZA MATAIS
da Folha Online, em Brasília

O PSOL deve ingressar ainda nesta semana com representações no Conselho de Ética da Câmara contra os deputados Pedro Henry (PTB-MT) e Wanderval Santos (PP-SP). Os dois são acusados de envolvimento com a máfia dos sanguessugas. Na última semana, o partido se uniu ao PPS e ao PV para representar contra outros dois deputados: Nilton Capixaba (PTB-RO) e João Caldas (PL-AL).

A decisão dos três partidos em representar os parlamentares antes do término da CPI é uma estratégia para driblar a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que determinou o sigilo dos nomes dos envolvidos.

O deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) disse que o PV, o PPS e o PSOL pretendem ingressar toda semana no Conselho de Ética revelando mais nomes.

O PSOL foi escolhido para representar contra Henry e João Caldas porque o partido já havia relatado processos contra os dois deputados quando eles foram acusados de participar do esquema do mensalão. Ambos receberam do partido a punição máxima, mas acabaram absolvidos pelo plenário da Câmara.

Segundo o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) no caso das ambulâncias os processos devem ser encaminhados até o final da semana. "Nós só estamos aguardando mais dados, mas ainda nesta semana vamos [representá-los]. Nós queremos antecipar os trabalhos da CPI", disse.

Alencar revelou que quando investigou Wanderval, acusado de receber dinheiro do valerioduto, já havia percebido que o deputado poderia ter envolvimento em outros esquemas. "Ele tinha emendas que apresentou para o Rio Grande do Norte, bem longe do seu reduto eleitoral", disse.

Como a representação será assinada pelo PSOL, os processos serão diretamente encaminhados para o Conselho de Ética. Se o pedido viesse da CPI, a Mesa da Câmara teria que analisar os casos primeiramente.

Notificações

O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) disse que sugeriu ao presidente da CPI, deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ), que aguarde o recebimento dos autos para notificar os 42 parlamentares denunciados pelo Ministério Público Federal.

A CPI recebeu na última quinta-feira do STF os nomes dos parlamentares, mas não os processos, que devem chegar somente nesta semana. Segundo Sampaio, não há como notificar os parlamentares sem que eles saibam do que estão sendo acusados.

Biscaia teria aceitado a sugestão e deve iniciar as notificações somente após o ministro Gilmar Mendes encaminhar os autos.

Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Leia a cobertura completa sobre a crise em Brasília
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página