Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/07/2006 - 11h03

Oposição quer envolver PT com a máfia das ambulâncias

Publicidade

ANDREZA MATAIS
da Folha Online, em Brasília

O PSDB e o PFL tentaram vincular hoje o esquema dos sanguessugas ao governo federal. Na lista divulgada ontem de 57 supostos envolvidos com a máfia das ambulâncias aparecem três parlamentares do PSDB e quatro do PFL. Nenhum parlamentar do PT é citado no esquema.

Mesmo assim, a oposição argumenta que nenhum esquema de corrupção do Legislativo pode ocorrer sem a ajuda do Executivo.

"O PT está no Poder Executivo. Não se pode realizar uma operação desse tamanho sem o Executivo", disse o prefeito do Rio, Cesar Maia (PFL).

Sem mencionar nomes, ele afirmou que ficou "chocado" porque a CPI ainda não convocou um membro do PT para depor. Esse petista, segundo Maia, seria responsável pela conexão entre o ex-ministro da Saúde Humberto Costa e a Planam --empresa envolvida com a máfia das ambulâncias. O nome desse petista, de acordo com Maia, foi revelado pelo empresário Luiz Antonio Trevisan Vedoin em depoimento para a Justiça do Mato Grosso.

Mensaleiros x sanguessugas

A oposição sinalizou que não aceitará a utilização da lista dos sanguessugas para atacar a ética do PSDB e PFL. O presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), disse que o PT não poderá generalizar as críticas à ética, pois a resposta que a oposição dará às denúncias de corrupção será bem diferente daquela dada pelo PT no caso do "mensalão". O PSDB, por exemplo, anunciou ontem que irá expulsar os envolvidos no esquema das ambulâncias.

"Não vamos fingir que não vimos. O PSDB não vai permitir mensaleiros, sanguessugas. Os que tiverem envolvimento comprovado, serão expulsos do partido", afirmou Tasso.

No entanto, o tucano disse que o PT também será atingido pelo esquema, pois a maior parte dos partidos citados na lista de sanguessugas pertence à base aliada.

"Nenhuma operação é feita sem a participação do Executivo. O PT está envolvido até a tampa porque a maioria pertence à base aliada", afirmou ele.

O líder do PFL no Senado, José Agripino Maia (RN), afirma que coincidentemente 75% dos citados na lista são da base aliada. "O PT não tem autoridade moral para usar lista nenhuma, pois é o partido do mensalão e não vai conseguir se isentar dessa pecha."

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre eleições de 2006
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Enquete: o presidente Lula da Silva deveria ou não participar dos debates entre candidatos?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página