Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
03/08/2006 - 18h16

CPI impede Suassuna de acompanhar depoimento de ex-assessor

Publicidade

ANDREZA MATAIS
da Folha Online, em Brasília

O líder do PMDB no Senado, Ney Suassuna (PB), foi impedido hoje de acompanhar o depoimento do seu ex-assessor à CPI dos Sanguessugas. A pedido do deputado Júlio Redecker (PSDB-RS), Suassuna foi convidado a se retirar da sala da comissão.

O deputado argumentou que a presença de Suassuna poderia constranger o ex-assessor e invalidar o depoimento.

O senador disse que desde que seu nome foi envolvido nas denúncias tenta ser ouvido pela CPI sem sucesso. Ele também pediu ao corregedor do Senado, Romeu Tuma (PFL-SP), para se explicar, mas não foi chamado até hoje. "Já fez um mês que falei com o Tuma", lamentou.

Suassuna se queixou de que é acusado sem saber o que tem contra ele na CPI. O senador disse que tem tomado conhecimento das denúncias pela imprensa. "Não recebi nada da CPI, peguei [o depoimento de Luiz Antonio Trevisan Vedoin] na internet", afirmou.

Suassuna ressaltou que a CPI só teve uma reunião administrativa até agora e que não quer se defender apenas por escrito.

Perguntado se não seria acusado de iniciar a pizza na CPI ao forçar a comissão ouvi-lo pessoalmente, o senador disse que está "indignado" e que tem o direito de se defender. A preocupação de integrantes da comissão é que ao abrir uma brecha para a Suassuna se explique pessoalmente, os demais 91 acusados podem reivindicar o mesmo, o que atrasaria a conclusão da CPI.

Leia mais
  • Veja lista dos 57 parlamentares investigados pela CPI dos Sanguessugas
  • Veja nova lista de 33 parlamentares suspeitos de integrar a máfia

    Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Leia a cobertura completa sobre a crise em Brasília
  • Enquete: os partidos devem expulsar os parlamentares citados na lista da CPI dos Sanguessugas?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página