Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
04/08/2006 - 17h18

Cerca de 15 parlamentares devem ser inocentados no caso sanguessugas

Publicidade

FELIPE RECONDO
da Folha Online, em Brasília

A análise dos depoimentos e documentos entregues à CPI dos Sanguessugas mostrou que serão poucos, aproximadamente 15, os parlamentares inocentados da acusação de integrar a máfia das ambulâncias. Contra a maioria pesam provas "robustas" e indícios que ainda serão apurados pelos membros da comissão.

Nesta sexta-feira, o sócio da Planam, Luiz Antônio Vedoin, prometeu ao relator da CPI, Amir Lando (PMDB-RO), encaminhar novas provas contra os parlamentares que teriam se beneficiado do esquema de corrupção.

Em aproximadamente cinco horas de um depoimento reservado, o empresário inocentou uma minoria dos parlamentares citados e, um a um, reafirmou o envolvimento e detalhes da participação de deputados e senadores no esquema. Haveria provas suficientes contra 50 parlamentares.

Cheques e comprovantes de depósitos seriam repassados à comissão parlamentar antes da apresentação do relatório final, prevista para o dia 10. "Infelizmente uma minoria será inocentada", afirmou o sub-relator, deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP).

Lando e Sampaio colocaram hoje frente a frente Vedoin, o empresário Ronildo Medeiros, cuja empresa estaria envolvida com a máfia, e Marcelo Cardoso de Carvalho, assessor do senador Ney Suassuna (PMDB-PB), acusado de receber propina do esquema.

A acareação durou cerca de 20 minutos e nada acrescentou às investigações. Os três mantiveram suas versões para o caso. Dentre as versões ouvidas, de acordo com Sampaio, a apresentada pelo assessor de Suassuna não é crível.

Acusado de receber R$ 225 mil do esquema, Carvalho disse que os recursos que recebeu foram para o pagamento de um barco que teria vendido, mas que ainda estava sob seus cuidados. "É uma versão que a mim não convenceu", afirmou Sampaio.

Diante das dúvidas, o relator disse que pode partir para a quebra dos sigilos bancários dos assessores. As informações, no entanto, não chegariam à CPI antes da apresentação do relatório final.

Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Leia a cobertura completa sobre a crise em Brasília
  • Enquete: os partidos devem expulsar os parlamentares citados na lista da CPI dos Sanguessugas?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página