Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
07/08/2006 - 09h33

Sanguessugas assediaram hospital do Rio por compras

Publicidade

SERGIO TORRES
da Folha de S.Paulo, em Rio Bonito (RJ)

Um exemplo do modo de operação dos sanguessugas da saúde ocorreu na cidade de Rio Bonito (a 75 km do Rio), onde, por dois anos, a direção do Hospital Darcy Vargas resistiu a investidas de políticos hoje acusados de integrar o esquema.

Em 2003, o hospital, que é filantrópico, soube que o Fundo Nacional de Saúde cadastrava pela internet unidades médicas interessadas em comprar ambulâncias e aparelhos.

Segundo diretores do hospital, o aviso foi dado por um homem que dizia ser assessor do deputado federal Francisco Dornelles (PP-RJ). Ele teria se oferecido para cadastrar o hospital, caso fossem apresentados projetos de compra.

A direção preparou dois projetos. Um, de R$ 320 mil, tratava da aquisição de três ambulâncias UTI. O segundo, de R$ 300 mil, detalhava a compra de equipamentos médicos.

Feito pelo suposto representante de Dornelles, o cadastro foi aprovado. Em 2004, o Ministério da Saúde depositou a verba para o hospital, que deveria providenciar as compras. O assédio político começou aí.

Os diretores contam que, dias depois do depósito, receberam ligação do deputado federal Carlos Nader (PL-RJ), que parabenizou a direção.

O próximo contato foi do deputado federal Reinaldo Gripp (PL-RJ). Sem aviso, foi ao Darcy Vargas com um amigo, a quem apresentou como vendedor de equipamentos. Ao amigo, os diretores disseram para comprar o edital. Antes de sair, Gripp disse que não era necessária a licitação por tratar-se de unidade filantrópica.

Após alguns dias, chegaram ao hospital duas mulheres que diziam representar a bancada fluminense do PL na Câmara. Falaram que a compra não poderia ser feita por licitação porque a bancada já gastara R$ 20 mil para aprovar os projetos.

Coube ao então deputado Bispo Rodrigues (PL-RJ) o contato seguinte. Nenhum diretor quis atender ao telefonema. Àquela altura, achavam que a verba seria retirada. Tinham acertado que não se envolveriam em falcatruas.

Semanas depois, a direção recebeu a visita de um conhecido da região. Ex-funcionário da Prefeitura de Rio Bonito, Nylton Simões Filho apresentou-se como representante da Planam, fornecedora de ambulâncias e suposta líder da máfia.

Ele trazia um modelo de edital. Disse que, para ter as ambulâncias, o hospital teria que seguir o modelo. Caso insistissem em não aderir ao esquema, os diretores seriam responsabilizados pela quebra de um hospital de 45 anos. "Vocês nunca mais terão um tostão de Brasília", ameaçou, segundo o relato dos diretores à Folha.

A direção insistiu nas concorrências. Para ter respaldo legal, convidou o promotor da cidade para a comissão de licitação e conseguiu que o evento fosse na sede local da Justiça.

Doze empresas se habilitaram, entre elas a Planam. A escolha foi por menor preço. A Planam ganhou uma concorrência. Ofereceu R$ 82 mil por uma ambulância furgão, contra R$ 85,27 mil da segunda colocada. As outras duas foram fornecidas pela NV Rio. A Planam concorreu e perdeu, por ter oferecido preços mais altos.

A peça final da resistência foi a assinatura do contrato. A Planam não queria enviar representante. Pediu que o contrato seguisse por correio. A direção se recusou. A contragosto, Luiz Antônio Vedoin foi a Rio Bonito. As ambulâncias chegaram e estão atendendo a população de Rio Bonito (52, 01 mil habitantes em 2004).

Um detalhe da história foi lembrado com ironia pelos cinco diretores que, na quarta-feira, contaram à Folha como resistiram ao esquema. Ao liberar o dinheiro, o Ministério da Saúde convocou reunião no Rio, com representantes de instituições beneficiadas. Conduziu o encontro o então chefe da fiscalização, Jairo Langoni. Em 4 de maio passado, a Justiça de Mato Grosso mandou prender 54 acusados de agir no esquema sanguessuga. Langoni era um dos presos.

Outro lado

Apontado pela direção do Hospital Darcy Vargas como responsável pelo aviso e cadastramento na compra de ambulâncias e equipamentos, o deputado federal Francisco Dornelles (PP-RJ) não quis falar com a Folha.

A assessoria de imprensa do deputado divulgou que ele desconhece a história de que um assessor teria procurado a direção do hospital para alertar sobre o cadastro.

No gabinete na Câmara do deputado Reinaldo Gripp (PL-RJ), funcionários disseram que ele estava no Rio, incomunicável.

O deputado Carlos Nader (PL-RJ) também não foi localizado. Em seu gabinete, um funcionário disse anteontem que ele estava em algum lugar entre Brasília e Barra Mansa, cidade em que mora no Rio.

O ex-deputado Carlos Rodrigues (ex-Bispo Rodrigues) também não deu entrevistas sobre o assunto. A Folha procurou o lobista Nylton Simões Filho em sua casa, em Itaboraí (região metropolitana). Parentes disseram que ele viajou.

Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Leia a cobertura completa sobre a crise em Brasília
  • Enquete: os partidos devem expulsar os parlamentares citados na lista da CPI dos Sanguessugas?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página