Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
09/08/2006 - 09h54

CPI suspeita de outras compras feitas pelo Ministério da Saúde

Publicidade

da Folha de S.Paulo, em Brasília

Responsável pela sub-relatoria que investiga a suposta atuação do Executivo na fraude dos sanguessugas, o deputado Júlio Redecker (PSDB-RS) levantou suspeitas em relação à compra de equipamentos para ambulâncias pelo Ministério da Saúde. Para ele, pode ter havido superfaturamento de quase R$ 1 milhão.

Redecker apresentou à CPI papéis dando conta da compra de 931 aspiradores cirúrgicos em 2005 por R$ 2.980 cada. O deputado disse que a empresa que forneceu o equipamento, a Instrumental Científico, informou que o preço seria de R$ 2.000. À Folha a empresa não confirmou o preço. O coordenador-geral de Recursos Logísticos do Ministério da Saúde, Luiz Roberto Klassmann, disse que o pregão foi público e que houve pesquisas de preços.

O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) afirmou que Luiz Antônio Vedoin teria dito ainda que o ministério direcionou uma licitação para que uma empresa fornecesse 2.578 ambulâncias. A empresa beneficiada seria a Rontan Eletro Metalúrgica. Klassmann disse que nunca fechou contrato com a Rontan. A Folha não conseguiu contatar a empresa.

O ministro Sergio Rezende (Ciência e Tecnologia) disse ontem que já havia determinado em maio a suspensão das liberações de recursos para a compra de ônibus do Programa de Inclusão Digital, também sob suspeita. O ministro negou direcionamento de projetos por membros do PSB.

Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Leia a cobertura completa sobre a crise em Brasília
  • Enquete: os partidos devem expulsar os parlamentares citados na lista da CPI dos Sanguessugas?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página