Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/08/2006 - 14h28

CPI dos Sanguessugas só vai ouvir ex-ministros depois das eleições

Publicidade

ANDREZA MATAIS
da Folha Online, em Brasília

O presidente da CPI dos Sanguessugas, deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ), afirmou nesta quinta-feira que os ex-ministros da Saúde José Serra (gestão FHC), Humberto Costa e Saraiva Felipe (ambos da gestão Lula) só serão ouvidos depois das eleições.

O deputado confirmou que a próxima etapa da CPI é investigar o Executivo, mas advertiu que dificilmente haverá quórum em setembro, auge da campanha.

"Não há dificuldades em ouvir os ex-ministros se os requerimentos forem aprovados. Agora, dois dos ex-ministros são candidatos aos governos de São Paulo e Pernambuco e não há razão para convocá-los neste momento de campanha. Não tem provas que os responsabilizem até agora", disse Biscaia.

O deputado comemorou a votação do relatório parcial da comissão hoje, que denunciou 72 parlamentares envolvidos com a quadrilha dos sanguessugas, e fez um apelo para que o fim do voto secreto seja aprovado pelo Congresso.

"Pizza não houve, a CPI alcançou seu resultado, a outra parte eu também espero que alcance o resultado de cassação daqueles que mereçam. Agora, voto fechado é uma anomalia que tem que ser banida definitivamente. O eleito tem que saber como o parlamentar vota em qualquer situação", disse.

O vice-presidente da comissão, deputado Raul Jungmann (PPS-PE), fez um apelo para que o eleitorado não vote nos parlamentares envolvidos em denúncias. "Eleitor: o primeiro Conselho de Ética é você quem faz. Não vote em sanguessuga, não vote em mensaleiro, para que não tenhamos que reeditar o trabalho da CPI", disse.

Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Leia a cobertura completa sobre a crise em Brasília
  • Enquete: os partidos devem expulsar os parlamentares citados na lista da CPI dos Sanguessugas?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página