Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
21/08/2006 - 20h18

Lino Rossi sai em defesa de senador tucano no caso sanguessuga

Publicidade

HUDSON CORRÊA
da Agência Folha, em Campo Grande

O deputado Lino Rossi (PP-MT), acusado de ser o campeão no recebimento de propina (R$ 3 milhões) da máfia dos sanguessugas, isentou hoje o senador Antero Paes de Barros (PSDB), candidato a governador de Mato Grosso, de participação no esquema.

Em entrevista publicada no fim de semana pela revista "Veja", o empresário Luiz Antonio Vedoin, apontado como chefe da máfia dos sanguessugas, envolveu o senador tucano, que não apareceu na lista de 90 congressistas investigados pela CPI dos Sanguessugas.

"O acordo era para a totalidade das emendas da bancada, que somavam R$ 3,8 milhões. Antero apresentou R$ 400 mil e tínhamos de dar R$ 40 mil de comissão. Ele pediu para passarmos o dinheiro diretamente para o Lino Rossi, que, naquele tempo, era do mesmo partido que ele (PSDB). Todos ali tinham consciência do que estava sendo feito", disse Vedoin. Antero nega o acordo.

Rossi convocou hoje uma entrevista com a imprensa em Cuiabá (MT) para defender o tucano. "Eu não apoio o Antero [para governador], eu apoio o Blairo [Maggi, do PPS, candidato à reeleição]. Eu vim defender o Antero por livre e espontânea vontade porque eu não gosto de injustiça", afirmou Rossi. "Nunca peguei dinheiro para dar ao Antero e nunca recebi nada por ele."

Rossi nega que tenha recebido propina e afirma que não vai renunciar. "Eu não vou renunciar o mandato. Vou enfrentar esse trem", disse.

É a segunda vez que Rossi sai em defesa de um congressista acusado por Vedoin. No início do mês, o deputado fez um comunicado por escrito dizendo que era de sua propriedade uma Van Fiat Dukato, a qual ficou na posse do senador Magno Malta (PL-ES) de setembro de 2003 a julho de 2005.

Vedoin afirma que o carro foi um adiantamento de propina ao senador. Magno Malta nega. A Van foi comprada por Vedoin e entregue a Rossi em janeiro de 2002.

"Eu estou na Serasa desde 2001. Eu não tenho vergonha nenhuma disso. Disputei uma campanha em 2000 e nunca mais consegui pagar minhas dívidas. Se eu fosse um cara do esquema, você acha que eu, um parlamentar, teria o nome na Serasa?", perguntou o deputado.

À Folha, Antero reiterou hoje que acha estranha a citação de seu nome só na entrevista à "Veja". O senador disse também que as emendas de 2001 para comprar ambulância foram canceladas depois de conversar com o então secretário de Saúde de Mato Grosso, que lhe disse que a compra de unidades móveis de Saúde não era uma boa política.

Segundo Antero, o dinheiro acabou indo, entre outras ações, para a construção de centros de saúde. "Essa propina é uma propina à portuguesa. Mandou uma propina para mim por que eu cancelei a emenda?", ironizou.

Leia mais
  • CPI dos Sanguessugas denuncia 72 parlamentares; veja lista
  • CPI dos Sanguessugas absolve 18 parlamentares

    Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  • Enquete: os depoimentos dos empresários sanguessugas devem ser usados como provas?
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página