Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
28/08/2006 - 12h03

Após velório em SP, corpo de dom Luciano Mendes segue para Minas

Publicidade

RAIMUNDO DE OLIVEIRA
da Folha Online

Terminou por volta das 11h40 desta segunda-feira o velório de dom Luciano Pedro Mendes de Almeida, 75, que morreu neste domingo por falência múltipla dos órgãos. Cerca de 3.000 pessoas passaram pelo velório, que ocorreu na Catedral da Sé, na região central de São Paulo.

O corpo dele será levado no avião presidencial para Belo Horizonte e, de lá, irá para Mariana, onde será sepultado. A expectativa é que antes do enterro, que deve ocorrer na quarta-feira, o corpo seja novamente velado em Belo Horizonte.

Juca Varella/Folha Imagem
Dom Luciano Mendes de Almeida
Dom Luciano Mendes de Almeida
Dom Luciano estava internado no Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da USP, desde o dia 17 de julho, para tratar de um câncer no fígado. Ele foi transferido para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva), onde permaneceu em estado grave, sedado e respirando com a ajuda de aparelhos.

No Hospital das Clínicas, Dom Luciano tratava de um tumor provocado por uma recidiva do câncer desenvolvido há dois anos. Em 2004, submeteu-se a uma cirurgia no fígado para retirada do tecido doente. Ele havia contraído hepatite C há cerca de cinco anos, devido a uma transfusão. Em alguns casos, o câncer de fígado aparece como uma das complicações da hepatite C.

Presidiu a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) de 1987 a 1994, tendo sido também secretário-geral de 1979 a 1987. Foi vice-presidente do Celam (Conselho Episcopal Latino-Americano)de 1995 a 1998.

Dom Luciano escrevia uma coluna publicada aos sábados na Folha de S.Paulo. Natural do Rio de Janeiro, entrou para a ordem religiosa de Santo Inácio (dos jesuítas) e doutorou-se em Filosofia em 1965. Foi sagrado bispo em maio de 1976, e trabalhou na Arquidiocese de São Paulo, deste ano até 1988.

Na arquidiocese de São Paulo, auxiliou Dom Evaristo Arns e organizou abrigos para menores abandonados. Em Minas Gerais, não interrompeu seu trabalho social e dedicou seus últimos anos a percorrer hospitais para socorrer os necessitados.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre dom Luciano
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página