Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
28/08/2006 - 13h25

Corpo de dom Luciano Mendes deve chegar em Mariana no final da tarde

Publicidade

RAIMUNDO DE OLIVEIRA
da Folha Online

O corpo de dom Luciano Mendes de Almeida, arcebispo metropolitano de Mariana (MG), deve chegar na cidade mineira por volta das 18h desta segunda-feira. O arcebispo morreu aos 75 anos às 18h15 de domingo em São Paulo em decorrência de um câncer no fígado.

Antes de ser trasladado para Mariana, o corpo de dom Luciano será levado para o Instituto Santo Inácio, em Belo Horizonte, onde receberá uma homenagem. O corpo também será levado para a Praça Tiradentes, em Ouro Preto, para outra homenagem.

Em Mariana, o corpo de dom Luciano será velado na Igreja do Carmo até a manhã de quarta-feira. A previsão é que às 9h de quarta-feira o corpo do arcebispo seguirá em cortejo até a catedral da Sé, onde será celebrada a última missa de corpo presente. Dom Luciano será sepultado na cripta da catedral da Sé de Mariana, onde são enterrados os bispos e arcebispos da diocese.

Segundo dom Pedro Luiz Stringhini, bispo do Belém e auxiliar de São Paulo, mesmo cargo ocupado por dom Luciano por 12 anos, a morte do arcebispo é uma perda irreparável. "Por tudo que ele fez, tudo que ele deixou, só nos resta seguir o exemplo dele e continuar do lado dos mais pobres. Ele fez isto a vida inteira", afirmou dom Pedro.

Para Cecília Mendes de Almeida, 46, sobrinha de dom Luciano, ele será insubstituível. "Meu tio não era só uma pessoa, ele era uma instituição. Ele era insubstituível, sempre olhava antes para o próximo. Até em casa sempre foi assim, ele se preocupava antes com as outras pessoas e depois com ele mesmo", disse.

Dom Luciano foi velado na catedral da Sé de São Paulo até as 11h45 da manhã desta segunda-feira. O corpo do arcebispo foi visto por cerca de 3.000 pessoas que foram até o local. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, o senador Eduardo Suplicy (PT), o rabino Henry Sobel e outras autoridades estiveram no velório hoje.

Histórico

O arcebispo presidiu a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) de 1987 a 1994, e foi secretário-geral da instituição de 1979 a 1987. Foi vice-presidente do Celam (Conselho Episcopal Latino-Americano)de 1995 a 1998.

Dom Luciano escrevia uma coluna publicada aos sábados na Folha de S.Paulo. Natural do Rio de Janeiro, entrou para a ordem religiosa de Santo Inácio (dos jesuítas) e doutorou-se em Filosofia em 1965. Foi sagrado bispo em maio de 1976, e trabalhou na Arquidiocese de São Paulo, deste ano até 1988.

Na arquidiocese de São Paulo, auxiliou Dom Evaristo Arns e organizou abrigos para menores abandonados. Em Minas Gerais, não interrompeu seu trabalho social e dedicou seus últimos anos a percorrer hospitais para socorrer os necessitados.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre dom Luciano
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página