Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
31/08/2006 - 18h40

Grito dos Excluídos vai propor exclusão de votos em corruptos

Publicidade

RAIMUNDO DE OLIVEIRA
da Folha Online

O Grito dos Excluídos, manifestação feita por movimentos populares que acontece no feriado de 7 de Setembro desde 1995, vai propor neste ano a "exclusão" dos votos em políticos envolvidos em escândalos de corrupção.

O lema da manifestação deste ano será "Brasil, na força da indignação, sementes de transformação". A expectativa dos organizadores é reunir cerca de 10 mil pessoas em Aparecida (167 km a nordeste), local onde tradicionalmente acontece a maior concentração do Grito dos Excluídos.

De acordo com o bispo dom Demétrio Valentini, membro da Pastoral Social da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), a intenção é indicar os candidatos aos legislativos estaduais e Federal que tiveram envolvidos concretamente nos recentes escândalos de corrupção, como os casos do mensalão e da máfia dos sanguessugas, por exemplo.

Segundo o bispo, a "exclusão" não vai atingir as candidaturas majoritárias --governos estaduais e federal. Dom Demétrio afirmou ainda esperar que o próximo presidente faça um governo mais voltado para o crescimento da economia e propõe um "pacto" entre o poder público, movimentos populares, industriais, operários, agricultores e outros setores da população com o objetivo de fazer o país crescer.

"Nós esperamos que o próximo mandato seja muito mais voltado para o crescimento da economia. Acredito que vai ser um desafio bem claro para quem for o presidente, nós temos que nos entender, tanto forças populares, como industriais, produtores agrícolas, operários, agricultores. Temos que assumir conjuntamente a decisão de fazer o Brasil crescer", afirmou o bispo.

De acordo com dom Demétrio, no governo de Luiz Inácio Lula da Silva, principalmente em função de programas de repasse de verbas como o Bolsa-Família, diminuiu a sensação de exclusão pelos mais pobres, mas as denúncias de corrupção também contribuíram para aumentar a sensação de desânimo e desalento com a classe política e os governantes. Segundo ele, a exclusão dos votos em corruptos reflete esta desilusão.

"O Grito dos Excluídos que colaborar com a prática democrática, quer superar a decepção, canalizar bem a indignação de modo a também perceber como nunca houve tanta concentração e indicação de corrupção, tanto combate à corrupção, e isto é mérito do governo", afirmou.

Dom Demétrio afirmou que o Grito dos Excluídos nunca se guiou por critérios político partidários e que não haverá indicação de candidatos para estas eleições.

"Desde o começo o Grito não se guiou muito por quem estava no poder, ele quis uma autonomia diante do poder estabelecido. Passamos por diversos momentos, em Estados diferentes, onde haviam governos diferentes, o Grito acontece sempre. Até que houver exclusão, há razão para o Grito existir", afirmou.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Grito dos Excluídos
  • Leia cobertura completa das eleições 2006
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página