Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
05/09/2006 - 12h44

Relatores de processos contra sanguessugas pedem substituição

Publicidade

ANDREZA MATAIS
da Folha Online, em Brasília

Um dia depois de designar os relatores dos processos contra 67 deputados denunciados pela CPI dos Sanguessugas, o presidente do Conselho de Ética, deputado Ricardo Izar (PTB-SP), se viu obrigado a fazer uma nova distribuição dos casos. Cinco deputados pediram para ser substituídos.

Os nomes dos deputados só serão divulgados na tarde de hoje. O presidente do Conselho disse que os relatores alegaram problemas pessoais para desistir da tarefa. Um deles, o deputado Robson Tuma (PFL-SP), disse que foi o relator das denúncias na Corregedoria da Câmara e que já tem o seu juízo formado.

"Seria um rito sumário", alegou Tuma. A preocupação é de que os relatados por ele poderiam ingressar no STF (Supremo Tribunal Federal) pedindo a anulação do processo. A Folha Online apurou que também desistiram Nelson Trad (PMDB-MS) e José Carlos Araújo (PL-BA).

Na reunião do Conselho de hoje, ficou definido que serão criadas nove subcomissões, cada uma com três deputados, para agilizar os processos. Izar disse que em novembro o Conselho já deve estar concluindo alguns dos casos. "Alguns processos, 13 ou 14, têm provas concretas, o que vai facilitar o trabalho do relator", destacou.

A principal dificuldade do Conselho tem sido notificar os acusados para que apresentem suas defesas. Dos 67 investigados, apenas 24 foram notificados. Izar fará hoje uma nova tentativa --os que não forem encontrados serão notificados via edital, a ser publicado na segunda-feira no Diário Oficial do Congresso.

Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página