Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/09/2006 - 20h37

Empresário sanguessuga queria vender fotos de tucanos por R$ 2 mi, diz PF

Publicidade

HUDSON CORRÊA
da Agência Folha, em Campo Grande

A Polícia Federal apreendeu vídeo, DVD e fotos que mostram o candidato a governador em São Paulo pelo PSDB, José Serra, na entrega de ambulâncias da máfia dos sanguessugas em Cuiabá em 2001.

O material, segundo a PF, seria vendido por R$ 2 milhões por Luiz Antônio Vedoin, chefe dos sanguessugas, ao petista Valdebran Carlos Padilha da Silva, preso pela PF hoje de madrugada no aeroporto Congonhas (SP).

O superintendente da Polícia Federal em Mato Grosso, Geraldo Pereira, disse que foram encontrados mais de R$ 1,8 milhão, em dinheiro (dólar e real) em um hotel de São Paulo. A quantia seria usada no pagamento do material.

O presidente municipal do PT em Cuiabá, Jairo Rocha, disse que Valdebran está filiado ao partido desde agosto de 2004. Ele só não assumiu uma diretoria da Eletronorte no início do governo Lula porque uma ala petista enviou à estatal dossiê em que aponta suposta fraude de Valdebran em licitação de uma prefeitura em 2001, disse Rocha.

Também foi preso em São Paulo o advogado Gedimar Pereira Passos, ex-agente da PF, informou Pereira. A operação da PF começou no aeroporto de Cuiabá às 23h30 de ontem.
Paulo Roberto Trevisan, primo de Vedoin, foi detido, embarcando para São Paulo, quando subia a escada do avião com uma pasta azul levando uma fita, um DVD e várias fotos que registram a presença de Serra e de outros tucanos na solenidade de entrega de 41 uma ambulâncias em Cuiabá, no mês de maio de 2001.

As ambulâncias, entregues para as prefeituras, foram vendidas por empresas da máfia de sanguessugas.

Não há acusações do envolvimento de Serra com o esquema da liberação de verbas para o esquema de Vedoin. No DVD, Serra aparece discursando, assim como o deputado Lino Rossi (PP-MT), apontado com o campeão no recebimento de propina: R$ 3 milhões.

Levado à PF, Paulo Trevisan disse que iria entregar o material em São Paulo a pedido de Vedoin a uma pessoa que o reconheceria pela pasta azul. Em seguida, Trevisan foi liberado.

A PF então acionou agentes de São Paulo que prenderam Valdebran e Pereira Passos. Depois foi apreendido o dinheiro. Outra providência da PF foi pedir a prisão de Vedoin, o que acabou ocorrendo hoje.

Conforme o superintendente da PF, os policiais receberam uma informação de que Paulo Trevisan estava levando o material a São Paulo. A Justiça Federal havia determinado escutas telefônicas para monitorar Vedoin. Ainda segundo o superintendente, a PF descobriu a manobra de Trevisan ao abrir novo inquérito uma segunda fase de investigação da máfia dos sanguessugas.

"No vídeo aparece José Serra. Tem fotos do [candidato a presidente Geraldo] Alckmin [PSDB] e do [senador tucano] Antero [Paes de Barros] e deputados daqui", afirmou o superintendente da PF. Não há informação de que Alckmin tenha participado do evento.

Leia mais
  • Ministro diz que há mais provas contra Serra além de denúncia dos Vedoin
  • Serra chama de "baixaria de campanha" à tentativa de vender denúncias
  • Mercadante diz que dará direito de defesa a Serra sobre acusação de sanguessuga
  • Suposto comprador de material contra Serra é filiado ao PT desde 2004
  • Alckmin diz que Vedoin não tem credibilidade para acusar Serra
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página