Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/09/2006 - 13h35

Suplicy defende que PT investigue caso de compra de dossiê

Publicidade

FELIPE NEVES
da Folha Online

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) defendeu nesta terça-feira que o partido deve abrir um processo interno para apurar o episódio da compra de um dossiê contra os candidatos do PSDB José Serra e Geraldo Alckmin.

"Eu acho e recomendo ao presidente Ricardo Berzoini que, de pronto, se instaure um processo de apuração, o mais completo a respeito, porque o procedimento foi inteiramente condenável", afirmou Suplicy pouco antes do lançamento oficial do programa de governo de Aloizio Mercadante.

Para o senador, a instauração de um processo interno vai mostrar à sociedade que o PT quer esclarecer os fatos. Sem isso, opina, o partido pode sair prejudicado nas eleições.

"Acho que o Partido dos Trabalhadores precisa mostrar, o mais rapidamente possível, o seu empenho em elucidar inteiramente os episódios, até para que não haja prejuízo para nós nas eleições de 1º de outubro", disse.

Suplicy afirmou ainda que a postura da Polícia Federal e do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, mostra que o governo federal e, por conseguinte, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva estão bastante empenhados em esclarecer o caso.

Questionado sobre o fato da PF não ter mostrado ao público o dinheiro apreendido com Gedimar Pereira Passos e Valdebran Padilha, o senador disse que não entendia o motivo. Afirmou, ainda, que também está curioso para ver as notas.

"Não vejo qualquer problema que possa prejudicar a apuração dos fatos, ao tornar transparente o tipo de nota encontrado."

O caso

Gedimar foi preso pela Polícia Federal na sexta-feira em São Paulo juntamente com Valdebran, filiado ao PT do Mato Grosso. Com eles, a PF apreendeu R$ 1,7 milhão. O dinheiro seria usado na compra de um dossiê que vincularia José Serra, candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB, com a máfia das ambulâncias.

À PF, Gedimar disse que o dinheiro veio do PT e que seu contato no partido seria alguém chamado "Freud", o que provocou a demissão do assessor pessoal do presidente Lula, Freud Godoy.

Especial
  • Leia cobertura completa das eleições 2006
  • Leia a cobertura completa sobre a máfia das ambulâncias
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página