Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/09/2006 - 17h56

Ex-secretário de Berzoini é envolvido em venda de dossiê contra tucanos

Publicidade

da Folha Online

O nome do presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, foi envolvido na compra do suposto dossiê contra o ex-ministro da Saúde José Serra. Nota divulgada nesta terça-feira pela revista "Época" informa que um de seus repórteres foi procurado por Oswaldo Bargas --ex-secretário de Ricardo Berzoini no Ministério do Trabalho e um dos coordenadores de campanha à reeleição de Lula. Ele queria saber se a revista tinha interesse em publicar denúncias contra "políticos de renome".

Segundo a revista, Bargas teria mencionado que o PT não tinha nada a ver com aquela denúncia e que apenas Berzoini sabia do encontro com o jornalista da revista.

Procurada pela Folha Online, a assessoria do PT informou que vai se pronunciar ainda hoje sobre a denúncia de suposto envolvimento do presidente do partido na negociação de um dossiê contra políticos do PSDB.

Em nota, a revista informa que Bargas declarou que as denúncias poderiam ser comprovadas por "por meio de fotos, vídeos e de uma farta documentação".

No encontro, Bargas teria dito que não tinha nada para apresentar, mas afirmou que "as denúncias seriam fortes o suficiente para desmoralizar o candidato do PSDB ao governo do Estado de São Paulo, José Serra, e o ex-ministro da Saúde Barjas Negri".

A "Época" informa que os esclarecimentos foram dados porque o ex-agente da Polícia Federal Gedimar Pereira Passos --preso na sexta passada como suposto comprador de um dossiê anti-Serra-- teria citado o nome da revista em depoimento.

A revista informa ainda que Bargas telefonou no mesmo dia para o jornalista procurado por Bargas e disse que não haveria mais a apresentação de nenhum material, tampouco daria entrevistas. "Uma semana depois, a revista 'Istoé' publicou a entrevista em que Darci e Luiz Antonio Vedoin, os donos da Planan, acusavam Serra e Barjas Negri", diz nota da "Época".

"IstoÉ"

Em nota divulgada ontem, a revista "IstoÉ" negou envolvimento na suposta compra de um dossiê antitucanos. A última edição da revista trouxe uma entrevista com o empresário Luiz Antônio Vedoin, que denunciou que o esquema de compra superfaturada de ambulâncias teria começado quando Serra era ministro da Saúde do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

De acordo com Vedoin, do total de 891 ambulâncias comercializadas pela Planam entre 2000 e 2004, 681 tiveram verba liberada até 2002, durante a gestão de Serra e Barjas Negri.

Entenda o caso

Na última sexta-feira, Valdebran Padilha da Silva, filiado ao PT do Mato Grosso, e Gedimar Pereira Passos foram presos, em São Paulo, sob suspeita de intermediar a compra de documentos que mostrariam o suposto envolvimento de Serra e Geraldo Alckmin, candidato do PSDB à Presidência, com a máfia dos sanguessugas. Com eles, a polícia apreendeu cerca de R$ 1,7 milhão.

Gedimar afirmou à PF que foi "contratado pela Executiva Nacional do PT" para negociar com a família Vedoin a compra de um dossiê contra os tucanos, e que do pacote fazia parte entrevista acusando Serra de envolvimento na máfia.

Para a PF, Gedimar disse ainda que seu contato no PT era alguém chamado "Froud ou Freud". Ontem, Freud Godoy pediu afastamento do cargo de assessor especial da Secretaria Particular da Presidência.

Leia mais
  • PF deve rastrear dólares encontrados com suspeitos de comprar dossiê antitucanos
  • PT quer reduzir impacto do escândalo do dossiê na campanha de Lula
  • Procurador pede ampliação de prisão temporária de presos por compra de dossiê
  • Oposição cobra investigação rigorosa do TSE sobre dossiê
  • Procurador avalia pedir prisão temporária de Freud Godoy, ex-assessor de Lula
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página