Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
20/09/2006 - 13h52

Serra chama de "baixaria eleitoral" episódio sobre dossiê

Publicidade

CLARICE SPITZ
da Folha Online, no Rio

O candidato do PSDB ao governo de São Paulo, José Serra, chamou nesta quarta-feira de "baixaria eleitoral" o episódio sobre a suposta compra de um dossiê pelo PT contra ele e o tucano Geraldo Alckmin, candidato à Presidência.

"Uma baixaria organizada pelo PT, pelo presidente do PT [Ricardo Berzoini], pelo candidato do PT em São Paulo [Aloizio Mercadante] e por outros integrantes deste partido", disse Serra durante o lançamento do programa de governo de Alckmin.

O tucano disse ainda que agora é fundamental investigar a origem do dinheiro. "Trata-se de delinqüentes, de comercialização de baixaria."

Hoje, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato à reeleição, convocou uma reunião de emergência, no Palácio da Alvorada, para tratar do dossiê. Participam do encontro o presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, os ministros Tarso Genro (Relações Institucionais) e Márcio Thomaz Bastos (Justiça), o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP), o chefe de gabinete do presidente Lula, Gilberto Carvalho, e o publicitário da campanha, João Santana.

O presidente do PT deve explicar a participação de seus subordinados na compra do dossiê. Jorge Lorenzetti, que até ontem fazia parte da coordenação de campanha do presidente, é apontado como um dos mandantes da negociação do documento.

Expedito Afonso Veloso é diretor da área de Gestão de Riscos do Banco do Brasil e supostamente teria recepcionado Valdebran Padilha da Silva, o intermediário de Luiz Antônio Vedoin, principal envolvido no esquema dos sanguessugas e que teria produzido e tentado vender o dossiê.

Oswaldo Bargas foi secretário do Ministério do Trabalho durante a gestão de Berzoini e procurou jornalistas da revista "Época" para oferecer material contra "políticos de renome", com "fotos, vídeos e documentos", o que levantou suspeitas de que também soubesse do dossiê.

Em conversas reservadas, dirigentes do PT apostam que nas próximas horas Berzoini deve entregar o cargo de coordenador nacional da campanha de Lula e dificilmente também vai se sustentar na presidência do partido.

A avaliação é que o presidente do PT não poderá se colocar como inocente no episódio, pois este papel já pertence ao presidente Lula.

Entenda o caso

Na última sexta-feira, Valdebran, que é filiado ao PT do Mato Grosso, e o advogado Gedimar Pereira Passos foram presos, em São Paulo, sob suspeita de intermediar a compra de documentos que mostrariam o suposto envolvimento de Serra e Alckmin com a máfia dos sanguessugas. Com eles, a polícia apreendeu cerca de R$ 1,7 milhão.

Gedimar afirmou à PF que foi "contratado pela Executiva Nacional do PT" para negociar com a família Vedoin a compra de um dossiê contra os tucanos, e que do pacote fazia parte entrevista acusando Serra de envolvimento na máfia.

Para a PF, o advogado disse ainda que seu contato no PT era alguém de nome "Freud". Freud Godoy pediu afastamento do cargo de assessor especial da Presidência. Ele nega as acusações.

Especial
  • Leia cobertura completa da máfia dos sanguessugas
  • Leia cobertura completa das eleições 2006
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página