Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/10/2006 - 12h12

FHC defende privatizações e diz que não é contra venda da Petrobras

Publicidade

da Folha Online

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu nesta terça-feira os resultados dos processos de privatização realizados durante o seu governo e afirmou não ser contra a privatização da Petrobras.

O líder tucano afirmou que é demagogia do PT afirmar que um eventual governo de Geraldo Alckmin venderia o controle da empresa. FHC afirmou que "ninguém vai privatizar" a gigante estatal do petróleo, mas em seguida deixou escapar a frase "não sou contra a privatização da Petrobras".

"A Petrobras tem que ser outra coisa. Uma empresa pública, e não o que está sendo, usada para fins políticos. O Banco do Brasil tem de ser uma empresa pública, não para ser usado no Valerioduto. Você tem aí empresas que devem ser do governo, mas não devem ser usadas por um partido. E empresas que não têm sentido estarem no governo, que devem ser privatizadas", disse o ex-presidente em entrevista à "Rádio CBN".

FHC se corrigiu depois e divulgou nota informando que foi mal interpretado e que é contra a pritvatização da Petrobras.

FHC toca em um ponto sensível para a candidatura de Geraldo Alckmin. Desde o início da campanha neste segundo turno, a campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição pelo PT, tem explorado o fato dos governos tucanos terem sido responsáveis pela venda de patrimônio público, tanto da União quanto nos Estados.

Alckmin tem se esforçado para mostrar que não pretende realizar nenhuma privatização em um possível governo. No entanto, para FHC, o debate acerca das privatizações é arcaico, porque o que foi feito funcionou e não haveria contexto para novos processos.

"Agora, está havendo uma discussão arcaica: se deve haver privatização ou não. É claro que já houve privatização, taí, funcionou. Em outros setores, não pode haver privatização. Isso depende de circunstâncias", comentou.

FHC afirmou que se os bancos estaduais não tivessem sido privatizados, o país estaria envolvido "na inflação e na corrupção". Em seguida, citou o caso da telefonia, que, segundo ele, só expandiu o atendimento porque foi privatizada, e da Companhia Vale do Rio Doce.

De acordo com o ex-presidente, a crítica ao valor de venda da Vale deveria ser desconsiderada, porque ninguém à época queria comprar a companhia. "[A Vale] multiplicou o seu valor por dez, não porque ele valesse dez na época. Ninguém queria comprar, foi uma dificuldade alguém comprar", disse.

Lula

Fernando Henrique voltou a se dizer decepcionado com o presidente Lula. O sociólogo e ex-presidente classificou como "uma perda histórica" uma liderança "que nasceu contra tudo que havia de podre no sindicalismo, se transformar num político qualquer".

"Ele está assassinando o símbolo que ele representa pela incapacidade de entender seu momento de grandeza na história", avaliou FHC. "Não era só de ganhar a eleição. Você pode ganhar eleição de qualquer maneira, mas ganhar eleição se igualando ao que há de mais atrasado na política brasileira?"

Especial
  • Leia cobertura completa das eleições 2006
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página