Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
06/11/2006 - 13h16

Serra cogita criar partido de centro-esquerda

Publicidade

ELIANE CANTANHÊDE
KENNEDY ALENCAR
Colunistas da Folha Online

O governador eleito de São Paulo, José Serra, cogita liderar a criação de um novo partido de centro-esquerda. Em conversas reservadas, ele avalia que há um "vácuo político" no país depois do acirramento das divisões internas do PSDB e dos escândalos que levaram o PT à sua maior crise.

Serra, que se elegeu em primeiro turno, com 57,93% dos votos válidos, tem contatos em todos os partidos, em todos os Estados. Conforme a Folha apurou, ele já começou a mapear informalmente deputados, senadores e líderes regionais que possam integrar a nova legenda. É uma alternativa para um rearranjo partidário que imagina que terá início a partir das eleições de 2006 e como saída para o caso de a disputa interna no PSDB pela candidatura a presidente em 2010 chegar a um nível de racha extremo.

O perfil desse partido seria nacionalista, mas moderno. Seria uma legenda "desenvolvimentista" que deixaria claro que não deseja colocar em risco a estabilidade. Defenderia um Estado ajustado do ponto de vista fiscal, mas ativo e forte nas relações de indução do crescimento econômico.

Serra considera que se firmou nacionalmente como "a esquerda moderna", capaz de assumir um projeto desenvolvimentista para o país, sem criar a sensação de descontrole das contas públicas e de leniência com a inflação --ou seja, sem aventuras e sem assustar o mercado financeiro.

Ele também tem defendido o retorno de um discurso nacionalista, que sumiu do debate interno depois de ser confundido ao longo do tempo com idéias atrasadas e anti-globalização. Na versão de Serra, o nacionalismo moderno seria caracterizado por abertura ao mercado internacional, mas com fortes doses de proteção ao interesse brasileiro em alguns setores.

Os quadros desse novo partido dos sonhos do futuro governador de São Paulo viriam de praticamente todas as legendas, desde o próprio PSDB até o PP gaúcho --que está à direita no espectro político--, passando por PMDB, PPS, PSB, PDT, PV e sem descartar parlamentares e ex-parlamentares do PT.

Entre os nomes citados, estão o ex-governador e agora senador eleito Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), os deputados federais Fernando Gabeira (PV-RJ), Roberto Freire (PPS-PE), Jutahy Magalhães Jr. (PSDB-BA), Eduardo Paes (PSDB-RJ) e Júlio Delgado (PSB-MG).

Serra não descartaria, também, nomes sem mandato, como o ex-ministro e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Nelson Jobim, cotado para uma pasta no segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na versão de Serra a seus interlocutores, o quadro partidário está esgotado depois da chegada do PT ao poder e da vitória da reeleição de Lula, que completariam um ciclo político no país depois do fim da ditadura militar, em 1985.

Um outro fator decisivo para o movimento do governador eleito é a divisão do PSDB, hoje com dois fortes potenciais candidatos à Presidência em 2010: ele, Serra, e o governador reeleito de Minas, Aécio Neves.

Os dois têm conversado e acertado uma espécie de pacto de boa convivência, mas os próprios tucanos apostam que Serra e Aécio devem ter posição moderada em relação a Lula no início do segundo mandato, devendo, porém, tomar caminhos diferentes até 2010.

Serra quer se preservar como líder da centro-esquerda anti-Lula, enquanto Aécio apontaria para uma posição de maior aproximação e conciliação com o Planalto e com forças políticas de centro, como o PMDB governista.

A outra ponta peemedebista, de oposição a Lula no primeiro mandato, é também conhecida como "PMDB serrista". Esse grupo é integrado, por exemplo, pelo presidente do partido, Michel Temer (SP) --aliás, outro candidato a se filiar à nova legenda.

Em determinado momento nos próximos quatro anos, mais perto da eleição de 2010, Serra deverá assumir posição forte como anti-Lula, explicitando divergências num tom maior do que de Aécio, que aposta num caminho de conciliação pelo centro do espectro político.

Leia mais
  • Após descanso, Lula começa a negociar montagem de nova equipe de governo
  • Duda Mendonça deve receber alta nesta terça-feira
  • CPI deve ouvir nesta semana ex-ministros da Saúde

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o segundo mandato de Lula
  • Leia cobertura completa das eleições 2006
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página