Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/01/2007 - 17h30

Lula encerra Cúpula e transfere ao Paraguai presidência rotativa do Mercosul

Publicidade

da Efe, no Rio

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, encerrou nesta sexta-feira a cúpula do Mercosul e entregou a presidência rotativa do bloco ao paraguaio Nicanor Duarte, cujo país a exercerá nos próximos seis meses.

"O Paraguai recebe com entusiasmo a presidência temporária e compromete todo seu esforço e empenho para prosseguir no caminho de aprofundar a integração, a democracia e a participação dos povos na produção e distribuição da riqueza", afirmou Duarte após receber a presidência de Lula.

"Há um caminho traçado no qual estamos comprometidos, temos fé neste processo e consideramos de grande utilidade este debate sincero", afirmou o presidente do Paraguai.

A única reunião de trabalho dos presidentes, com a qual a cúpula foi encerrada, foi marcada por uma dura troca de palavras entre os presidentes da Bolívia, Evo Morales, e da Colômbia, Álvaro Uribe, motivada por suas divergências em relação aos modelos econômicos e políticos que existem na região.

Morales citou dados que atribuiu a organismos internacionais, segundo os quais os países da América Latina cujas economias mais cresceram nos últimos anos foram, nessa ordem, Cuba, Argentina e Venezuela.

O boliviano acrescentou que estes são "países que vivem com dignidade e soberania, são antiimperialistas e se opõem aos neoliberais".

Morales citou imediatamente a Colômbia, do qual disse que "investiu milhões e milhões em projetos contra o narcotráfico e está com déficit comercial e fiscal".

Uribe respondeu duramente, com vários números e visivelmente descontente, que durante sua gestão todos os índices sociais e econômicos da Colômbia melhoraram.

O presidente lembrou também que a Colômbia não possui as riquezas naturais da Bolívia e tem uma população maior.

Ao iniciar a sessão de trabalho dos presidentes, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, fez um otimista balanço do Mercosul após os seis meses em que Brasília exerceu a presidência rotativa do bloco.

Amorim avaliou a criação do Parlamento do bloco, instalado em dezembro em Brasília, e que, a partir de março, terá sua sede permanente em Montevidéu, e a realização das primeiras cúpulas do chamado Mercosul Social.

O ministro também ressaltou a importância da implementação do Fundo de Convergência Estrutural, que na reunião do Rio de Janeiro aprovou o financiamento dos primeiros projetos apresentados por Paraguai e Uruguai, as economias mais frágeis do bloco.

"O Mercosul que estamos fazendo não é mais o dos governos e dos empresários, e sim de todo o povo", disse Amorim.

Leia mais
  • Morales alfineta Lula e diz que não quer mais subvencionar gás para Brasil
  • Lula defende crescente integração de blocos da América do Sul
  • Presidente da Bolívia quer "preço real" e não "solidário" para gás
  • Exército convoca 2.000 soldados para assegurar segurança da Cúpula no Rio
  • Chávez traz até um cozinheiro e fica em hotel que Fidel já se hospedou

    Especial
  • Leia especial sobre a cúpula do Mercosul
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página