Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
05/03/2007 - 22h18

Aécio diz que estatal fez "mau negócio" e PT quer apuração

Publicidade

PAULO PEIXOTO
da Agência Folha, em Belo Horizonte

O PT de Minas Gerais, por meio da sua representação na Assembléia Legislativa, vai solicitar apuração para o caso da venda de créditos do Banco Open. O próprio chefe do Executivo mineiro, Aécio Neves (PSDB), disse ter sido um "mau negócio". O governador tucano também disse querer informações "mais objetivas" sobre a perda de R$ 10,7 milhões pelo Estado.

Conforme reportagem de ontem da Folha, a Justiça do Rio de Janeiro, em 14 de fevereiro passado, pagou R$ 12,4 milhões pelos créditos vendidos em leilão pela estatal mineira MGI (Minas Gerais Participações), sete meses antes, por R$ 1,7 milhão.

"Mandei averiguar exatamente qual foi o processo. A princípio, o que me parece é que realmente foi um mau negócio. Mas eram créditos que estavam há muitos anos de posse do Estado, foi feito leilão público, aberto, com preço mínimo. A proposta que alcançou esse preço mínimo foi a proposta vencedora", disse o governador.

"Mesmo assim, estou querendo ter informações mais objetivas e mais profundas sobre o encaminhamento dessa negociação. Lamento apenas que o Estado não tenha feito um bom negócio."

Na época da venda dos créditos do Banco Open, liquidado em maio de 1995, já estava na reta final o processo da liquidação da instituição, que tinha o governo de Minas como principal credor (30,7% dos créditos da massa falida).

Quem lucrou foi a MPL Asset Management, que é registrada em um paraíso fiscal, em nome do brasileiro Antonio Pinheiro Maciel. A sede da empresa, indicada em documentos da MPL, fica em Nova York. A empresa comprou os créditos em leilão.

Hoje, a liderança do bloco PT/PC do B na Assembléia Legislativa deverá requerer à Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária a convocação da presidente da MGI, Isabel Pereira de Souza, e do secretário da Fazenda, Simão Cirineu Dias, a quem a estatal está subordinada, para esclarecer a transação.

"A estatal diz que vendeu créditos em condições duvidosas, e nós queremos esclarecer o assunto, pois a justificativa apresentada pela diretoria da MGI deixa diversas dúvidas sobre a transação. Nós queremos saber se houve ou não prejuízo para o setor público", disse a líder do bloco, deputada Elisa Costa (PT), segundo sua assessoria.

Especial
  • Leia mais sobre Aécio Neves
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página