Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/01/2006 - 16h44

Mulher que fez transplante de face não é reconhecida nas ruas

Publicidade

da Ansa, em Paris

A mulher de 38 anos que em 27 de novembro de 2005 foi submetida ao primeiro transplante de face do mundo não é reconhecida quando anda nas ruas, segundo declarou em uma entrevista o cirurgião que a operou, Bernard Duvauchelle. Ele declarou que "todos os dias a paciente passa por pessoas que nem sempre a reconhecem".

A mulher submeteu-se à operação para poder reconstituir o rosto após ser atacada por seu cachorro.

"Esta é a melhor prova de integração ainda que, quando se presta atenção, é possível notar que existe alguma coisa que não faz parte da mobilidade do rosto", disse o médico. A operação foi realizada há apenas um mês e meio e, segundo o médico, "a expressividade está retornando lentamente".

Além disso, a paciente continua com os procedimentos do pós-operatório, segundo alega Duvauchelle. "Continuará a fazer as biópsias, que são o melhor modo de controlar a rejeição aos tecidos", explicou.

O sucesso da operação foi confirmado também pelos novos pacientes que pedem a Duvauchelle para fazê-la. Já existem cinco pessoas na espera, mesmo que o médico tenha dito que "nenhum dos casos é de urgência".

"Nós passamos do imaginário ao possível, da ficção à realidade", afirmou o cirurgião.

Leia mais
  • Doadora de rosto transplantado cometeu suicídio, diz jornal
  • Jornal divulga foto de mulher após transplante de rosto
  • Mulher com primeiro rosto transplantado diz "obrigada"
  • Médicos fazem 1º transplante de rosto do mundo

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre transplantes
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página