Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/07/2006 - 09h51

Maconha sintética criada por brasileiro reduz pressão

Publicidade

RAFAEL GARCIA
da Folha de S.Paulo

Um substância sintética semelhante ao THC, o princípio ativo da maconha, se mostrou uma droga promissora contra a hipertensão. Em experimentos feitos na Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel, o brasileiro Yehoshua Maor, 35, conseguiu controlar a pressão arterial de ratos usando uma versão sintética alterada do canabigerol, uma outra molécula que a planta Cannabis sattiva produz. O fármaco obteve êxito sem causar efeitos psicotrópicos, o "barato" da maconha.

"Desde 1978 se tenta separar o efeito psicotrópico [da droga] da atividade cardiovascular, mas não se conseguia porque estavam trabalhando em cima da molécula do THC", explica Maor. Para fazer isso, pesquisadores inseriam átomos ou pedaços de outras moléculas na substância para tentar obter as características desejadas.

O brasileiro tentou então trabalhar sobre o canabigerol, que é um precursor do THC dentro da planta. Usando uma técnica que potencializa o efeito da molécula, ele fez com que ela adquirisse grande atividade hipotensiva sem grandes efeitos colaterais. O fármaco foi batizado canabigerol-DMH.

Maor, descendente de judeus portugueses, é maranhense da cidade de Imperatriz. Ele começou a fazer pesquisa em farmacologia depois de passar por estudos para rabino, carreira que não seguiu. "Eu estava procurando algumas respostas filosóficas", diz.

Seu trabalho com o canabigerol foi feito entre 2003 e 2005, mas só agora foi revelado, porque a universidade queria patentear molécula antes. Um estudo descrevendo o novo fármaco foi submetido ao periódico "European Journal of Pharmachology", e deve ser publicado no mês que vem.

Segundo Maor, a Universidade Hebraica está em negociações com uma empresa do setor farmacêutico, que poderá assumir a continuidade da pesquisa, com testes em humanos.

Se o canabigerol-DMH se sair bem em testes futuros, pode ser uma droga importante num setor que vive hoje uma crise. Muitos anti-hipertensivos atuais têm efeitos colaterais fortes e complicam a terapia. A busca de uma droga menos agressiva --como o fármaco de Maor mostrou ser em ratos-- é considerada uma meta de grande importância.

Outra característica desejável no canabigerol-DMH é seu efeito antiinflamatório moderado, porque muitos remédios populares desta classe --como o Vioxx, que saiu das prateleiras-- podem ter reações cardíacas adversas. Pacientes hipertensos obrigados a tomá-los poderiam reduzir a dose, se a droga hipotensiva ajudar a controlar a inflamação.

Todas as propriedades do canabigerol-DMH foram confirmadas in vivo (com aplicação em animais saudáveis), ex vivo (com artérias extraídas dos roedores) e in vitro (com cultura de células imunológicas em laboratório, para verificar o efeito antiinflamatório). Antes de pedir autorização para testes em humanos, a universidade precisa apenas fazer testes para verificar se subprodutos da droga no corpo não podem gerar efeito descontrolado ou excessivamente tóxico.

Maor não deve participar desta fase, pois em agosto segue para a Escola Médica de Harvard, em Boston, onde investigará biologia básica de moléculas canabinóides.

Descobridor do THC orientou pesquisas

Os estudos de mestrado e doutorado realizados por Maor sobre canabinóides foram orientados por Raphael Mechoulam, o descobridor do THC.

Em 1964, ele e seu colega Yechiel Gaouni isolaram a molécula pela primeira vez e a batizaram como tetraidrocanabinol (daí vem a sigla). Mechoulam continuou na linha de pesquisa e, em 1992, descobriu a anandamida, a primeira molécula conhecida da classe dos endocanabinóides, a "Cannabis interna", produzida pelo próprio corpo humano.

Desde então uma série de endocanabinóides foram descobertos, e o estudo dessas moléculas ganhou destaque na neurociência. Em fevereiro passado, Mechoulam e Maor publicaram um estudo na revista "PNAS" mostrando o mecanismo molecular do efeito hipotensivo dos canabinóides.

Leia mais
  • Estudo explica elo entre maconha e fome
  • Uso medicinal da maconha carece de base científica, diz FDA
  • Argentina reconhece uso terapêutico da maconha
  • Exame testado na USP detecta maconha em fio de cabelo de usuários

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre as propriedades da maconha
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página