Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/06/2001 - 11h41

Brasil é destaque no encontro sobre Aids da ONU

da Folha de S.Paulo, em Nova York

Dois motivos transformam o Brasil em uma das estrelas da "Crise Global, Ação Global".
Primeiro, o programa de saúde brasileiro é o único entre países em desenvolvimento citado como exemplar pelo secretário-geral da ONU, Kofi Annan.

Segundo relatório da entidade, o Brasil é o único do grupo a dar tratamento gratuito a infectados com o HIV. Estatísticas do início da década passada diziam que o país teria hoje 1,2 milhão de infectados. Os números reais são menos da metade.

O segundo é a grande repercussão da cruzada liderada pelo ministro José Serra (Saúde) contra laboratórios que cobram preços altos de remédios essenciais, como os do coquetel anti-HIV.

Na semana passada, o ministério mandou publicar dois anúncios em jornais dos EUA como "Washington Post" e "New York Times". Um destacava trecho da revista do jornal nova-iorquino que elogiava as ações do governo.

O outro invocava o programa para defender a lei brasileira que autoriza quebra de patente de laboratórios estrangeiros em casos excepcionais. Em fevereiro, os EUA haviam contestado a lei na Organização Mundial do Comércio (OMC), acusando-a de protecionismo disfarçado.

No fim da semana passada, a primeira vitória brasileira. O governo dos EUA acenou retirar queixa e os dois lados podem firmar uma moratória internacional sobre disputas que envolvam regras de propriedade intelectual e políticas de saúde.

Sábado, centenas de ativistas foram às ruas de Nova York gritar slogans como "medicação para todas as nações".

Segundo relatório do Unaids (Programa das Nações Unidas para a Aids), US$ 9,2 bilhões ao ano resolveriam o problema de prevenção da Aids e tratamento dos infectados no mundo. Metade do valor iria para a África, dividido em US$ 4,4 bilhões para tratamento e US$ 4,8 bilhões para prevenção. Hoje, o gasto é de US$ 1,8 bilhão. (SÉRGIO DÁVILA)
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página