Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/06/2005 - 22h21

Polícia usa site de relacionamentos para investigar neonazistas

Publicidade

LÉO GERCHMANN
da Agência Folha, em Porto Alegre

Ao mesmo tempo em que o Orkut se tornou ferramenta para disseminar idéias neonazistas, pode ser uma forma de a polícia identificar grupos que fomentam esse tipo de pensamento.

De acordo com o diretor Departamento de Polícia Metropolitana, de Porto Alegre, Paulo César Jardim, o site de relacionamento vai possibilitar a identificação de pessoas envolvidas em diálogos e investigar suas reais intenções com a propagação de idéias discriminatórias.

Ele investiga questões relacionadas ao assunto faz dois anos. O objetivo é tentar enquadrar neonazistas no artigo 20 da Lei 7.716/89, que trata de discriminação étnica

A Folha apurou que há pelo menos quatro grupos de diferentes vertentes fazendo a apologia da violência e da discriminação étnica, religiosa, racial, contra comunistas, ciganos e deficientes físicos e mentais.

"Não é adequado divulgarmos nomes de grupos. É preciso dar corda para aparecerem. Eles se movem com eficiência. Trocam telefonemas e viajam para se reunir. Vem gente do exterior, grupos musicais que tocam para 20 pessoas, o que é suspeito. Essa rede vem pregando pela internet", afirmou Jair Krischke, do Movimento de Justiça e Direitos Humanos, que ajuda a subsidiar a polícia.

Em Porto Alegre, foram presos e indiciados, na semana passada, quatro integrantes de um grupo que espancou e esfaqueou três jovens judeus, no dia 8 de maio --data que marca o final da Segunda Guerra Mundial.

Leia mais
  • Veja trechos de diálogos travados por neonazistas na internet

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre neonazismo
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página