Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
01/03/2006 - 17h16

Vila Isabel é campeã do Carnaval carioca

Publicidade

JANAÍNA LAGE
da Folha Online, no Rio

A Vila Isabel é a escola campeã do Grupo Especial do Carnaval carioca. A escola recebeu 397,6 pontos dos 400 possíveis. A apuração ocorreu na tarde desta Quarta-Feira de Cinzas, na Praça da Apoteose.

Esse foi o primeiro título da escola desde 1988, quando a Vila venceu a disputa com o enredo "Quizomba, Festa da Raça", até então o único título da agremiação. Curiosamente, a vitória da escola ocorreu num ano em que a Vila veio para a avenida de "cara nova", com fantasias mais luxuosas devido ao patrocínio da estatal venezuelana de petróleo PDVSA, que não teve o valor divulgado, e sem o seu representante mais famoso, o presidente de honra da escola, Martinho da Vila.

Marcelo Sayão/Efe
Desfile da Vila Isabel, campeã do Carnaval do Rio em 2006
Desfile da Vila Isabel, campeã do Carnaval do Rio em 2006
Segundo o presidente da escola, Wilson Vieira Alves, apelidado de Moisés, o patrocínio da PDVSA foi fundamental para que a escola trouxesse "alegorias ricas" falando sobre a integração cultural dos povos latinos.

A segunda colocada, a Grande Rio, obteve a mesma pontuação. O quesito samba-enredo deu a vitória à Vila. Na prática, a Grande Rio só não foi campeã por ter perdido 0,2 ponto por ter atravessado a avenida em 81 minutos, um a mais do que o permitido pelo regulamento.

A Vila Isabel fez uma homenagem à América Latina na madrugada de segunda-feira. O enredo "Soy loco por ti America - A Vila canta a latinidade" mostrou a cultura da região e os resultados da miscigenação entre os povos.

O presidente da agremiação atribuiu à vitória ao samba-enredo e à adoção de uma gestão empresarial. "A Vila precisava de uma boa quadra, de um bom barracão e de ter alegorias em condições", disse.

O diretor de carnaval da escola, Ricardo Fernandes, fez coro às declarações: "Quem era saudoso de uma Vila Isabel bagunçada, com uma metodologia que levou a escola ao Grupo de Acesso no passado deve estar muito infeliz com esse campeonato", disse. Segundo ele, antes a escola desfilava com 500 pessoas trajando camisas da escola e não havia horário fixo para a concentração.

Sem Martinho

O samba-enredo que garantiu a vitória à Vila Isabel foi o cerne da briga entre a diretoria da agremiação e Martinho da Vila. O cantor foi convidado a compor um samba para a escola, que foi rapidamente desclassificado. Magoado, Martinho brigou com a diretoria da escola. Ele ainda acusa a escola de usar um enredo seu já que havia gravado um disco chamado "Brasilatinidade".

"Não era o samba que a comunidade queria. Eu não acredito que o rei Roberto Carlos, que Caetano Veloso ou Chico Buarque tenham feito somente obras de sucesso, em algum momento devem ter tido obras que foram engavetadas. O samba do Martinho da Vila não estava dividindo a escola, a comunidade inteira não queria o samba do Martinho", afirmou o presidente da escola.

Ao som da música que tem entre os versos "A Vila Isabel semeia/ Sua poesia em 'portunhol'", a escola iniciou seu desfile com uma comissão de frente que fazia referência às bananas. Além dos integrantes com roupas que lembravam a fruta, havia uma alegoria que abria e fechava, como a casca da banana.

As primeiras alas e carros alegóricos mostravam a civilização pré-colombiana --antes da chegada dos Europeus. O Brasil apareceu em um carro alegórico que mostrava uma oca gigante. Além de muita palha, ele tinha vasos de cerâmica marajoara, típica da ilha de Marajó.

Para falar sobre a Festa dos Mortos, do México, que representa uma ponte entre o mundo dos vivos e o dos seus antepassados, o carnavalesco Alexandre Louzada idealizou um carro com 76 caveiras de fibra de vidro. O carro que fechou o desfile trouxe uma homenagem ao herói da independência dos países andinos, Simon Bolívar (1783-1830), em um trono de 13 metros.

Um dos destaques ficou por conta do carnavalesco Joãosinho Trinta, 72, que apareceu em um carrinho motorizado junto a outros cadeirantes --em novembro de 2004, ele preparava o desfile da Vila Isabel quando sofreu um derrame.

Leia mais
  • CPI do Carnaval aguarda aprovação desde junho de 2005 na Câmara
  • Sem Martinho e com patrocínio, Vila se torna campeã do Carnaval
  • Gaviões da Fiel confirma sua saída do Carnaval paulista

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Carnaval
  • Leia a cobertura completa sobre o Carnaval 2006
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página