Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/05/2006 - 09h11

Veja a repercussão dos ataques à polícia em SP na mídia internacional

Publicidade

da Folha Online

A recente onda de ataques à polícia no Estado de São Paulo foi destaque na mídia internacional. Leia a seguir trechos de reportagens de alguns dos principais meios de comunicação do mundo sobre os ataques. Os números de mortos e reféns se desencontram em alguns casos.

"Der Spiegel" (Alemanha)
Especialista teme ataques contra civis

O Iraque em São Paulo: Cerca de 67 pessoas foram mortas durante o fim-de-semana, entre policias, civis e detentos. As ações foram comandadas pelo chefe do PCC (Primeiro Comando da capital), Marcos Willians Herba Camacho, o Marcola, da cela onde está detido. O pilar de seu poder: dependência de drogas e ameaça de morte.

São Paulo - Os autores da ação, "clientes" [que devem favores ao PCC] são conhecidos como "Bin Ladens" --estão à disposição para cometer crimes [e atentados] da organização [quando convocados]. Seus crimes não têm razões religiosas, mas ligação com o tráfico de drogas e ameaça de morte. Durante o fim de semana, morreram em São Paulo cerca de 35 policiais e membros da segurança, três civis, 14 suspeitos de atuar nas agressões e 15 prisioneiros.

"Financial Times" (Reino Unido)
Dezenas morrem em ataques de criminosos contra a polícia em São Paulo

Mais de 50 pessoas, incluindo dezenas de policiais, foram mortos por criminosos fortemente armados na região de São Paulo em um fim-de-semana de violência sem precedentes no Estado mais populoso do Brasil.

Segundo informações oficiais, 55 ataques foram realizados contra postos policiais, viaturas e bares freqüentados por policiais fora de serviço na noite de sexta-feira e na madrugada de sábado. Até a noite seguinte, os ataques continuaram, além de rebeliões em presídios em todo o Estado.

"The Wall Street Journal" (EUA)
Gangues no Brasil matam ao menos 52 em ataques contra a polícia em São Paulo

Uma notória gangue realizou uma segunda onda de ataques contra a polícia neste domingo, elevando para ao menos 52 o número de pessoas mortas no mais grave ataque deste gênero na história do Estado mais populoso do Brasil, segundo autoridades.

Outras 39 rebeliões também começaram no domingo, elevando o total de rebeliões em todo o Estado de São Paulo para 57 (...) Os ataques foram uma resposta à transferência de diversos líderes presos do PCC (Primeiro Comando da Capital), pratica adotada pelas autoridades para cortar os laços de prisioneiros com membros da gangue fora da prisão.

"Clarín" (Argentina)
Facção já superou as do Rio de Janeiro

O Primeiro Comando da Capital (PCC), criado em agosto de 1993, conseguiu, no decorrer de apenas 13 anos, superar as principais facções do Rio de Janeiro. Afirma-se que essa organização é muito maior, em poder financeiro e de fogo, que sua equivalente carioca, o Comando Vermelho.

"Los Angeles Times" (EUA)
Ao menos 52 morrem enquanto ataques continuam contra a polícia no Brasil

Até o fim do domingo, rebeliões continuavam em 41 das 144 prisões do Estado de São Paulo, e os detentos mantém 229 reféns.

Os ataques aconteceram em resposta à transferência de oito líderes presos do Primeiro Comando da Capital, o PCC.

"The Times" (Reino Unido)
52 pessoas morrem enquanto gangues se vingam de policiais

Ataques de gangues contra a polícia em todo o Estado de São Paulo elevaram o número de mortos nos últimos três dias para 52, incluindo 25 oficiais de segurança, segundo a polícia.

A violência contra postos policiais, na pior ocorrência em anos no Estado mais rico do Brasil, começou na sexta-feira em uma aparente retaliação pela transferência de líderes de gangues para uma prisão de segurança máxima.

"Guardian Unlimited" (Reino Unido)
Dezenas de policiais são mortos a tiros no Brasil enquanto continua violência de gangue

Traficantes de drogas lançaram uma onda de ataques coordenados contra a polícia em São Paulo no fim-de-semana, deixando ao menos 50 pessoas mortas em um dos mais violentos capítulos da história recente do Brasil.

Em ao menos 100 ataques separados na sexta-feira, sábado e ontem, grupos de criminosos com granadas de mão e armas automáticas varreram a cidade, disparando contra membros das forças de segurança.

"Mail & Guardian Online"
Violência de gangues em São Paulo deixa 67 mortos

Ao menos 67 pessoas foram mortas no fim-de-semana no maior ataque organizado já realizado por gangues de traficantes contra a polícia e as forças de segurança no Brasil.

A aparente ofensiva realizada por grupos do crime organizado foi lançada na noite da sexta-feira e prosseguiu até o domingo na capital comercial do Brasil, São Paulo, em em regiões próximas do Estado de São Paulo.

"Daily News & Analysis" (Índia)
23 morrem em terceira noite de ataques de gangue em São Paulo

Outra noite de ataques contra policiais e civis em São Paulo deixou mais 23 pessoas mortas, elevando o total de mortos para 78, segundo fontes policiais citadas pela rádio CBN.

No domingo, o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, ofereceu ao governador de São Paulo, Cláudio Lembo, ajuda federal para restaurar a ordem, mas lembo recusou a ajuda, segundo a rádio.

Leia mais
  • PCC ataca bancos e incendeia mais de 60 ônibus
  • Suposto ataque a bomba incendeia agência bancária na Grande SP
  • Presos liberados serão investigados; mortos em ataques passam de 60

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o PCC
  • Leia a cobertura completa sobre os ataques do PCC em SP
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página