Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
03/09/2006 - 09h47

Recuperação da "cracolândia" ainda não passa de projeto

Publicidade

LAURA CAPRIGLIONE
RICARDO GALLO
da Folha de S.Paulo

Um ano depois de iniciada, a reurbanização da "cracolândia", na região da Luz (centro de São Paulo), ainda se restringe a slides e relatórios preparados pela prefeitura para impressionar investidores. Na prática, não saiu do papel.

A "Nova Luz" foi apresentada como a principal intervenção urbana da administração municipal. Em um prazo de quatro a cinco anos, pretendia transformar a região, hoje degradada, em um núcleo com prédios da prefeitura, empresas de tecnologia, universidades, academias e casas de shows, entre outras atividades. O investimento anunciado foi de cerca de R$ 80 milhões, financiados pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento).

Mas a área, de 105 mil m2, ainda mal foi tocada pelo poder público. A administração não conseguiu desapropriar nenhuma área nem sequer está certa do instrumento que utilizará para fazê-lo.

Ao mesmo tempo, não houve uma única empresa incluída na lei de benefício fiscal --isso porque o conselho que decidirá sobre as isenções foi nomeado apenas no último dia 23 de agosto e ainda não se reuniu.

A área da "cracolândia" foi tornada de utilidade pública, passível de desapropriação, em 6 de setembro de 2005, pelo então prefeito José Serra (PSDB), hoje candidato ao governo do Estado. Em dezembro, a prefeitura criou lei em que dá incentivos fiscais para empresas interessadas em se instalar ali. Benefícios incluem descontos de 50% no IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e em outros tributos.

A primeira iniciativa da prefeitura para tentar viabilizar a revitalização da "cracolândia" foi tentar a desapropriação de 55 imóveis de uma área de 4.873 m2, onde serão construídas as novas sedes da Subprefeitura da Sé, da Guarda Civil Metropolitana e da Prodam (Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Município de São Paulo). Envolvem as ruas General Couto de Magalhães, Mauá, dos Protestantes e dos Gusmões.

O processo de notificação dos proprietários está na Justiça, depois que esses donos discordaram do valor a ser pago. Eles pedem R$ 3,436 milhões à administração, que aceita pagar apenas R$ 2,7 milhões.

"Não consigo mexer uma palha enquanto não desapropriar", afirmou o secretário de Coordenação das Subprefeituras, Andrea Matarazzo, também subprefeito da Sé. Segundo ele, o atraso se deve à contestação judicial dos valores. "Mas se a Justiça decidir, basta depositar o valor judicialmente para já tomar a posse do imóvel", disse ele.

O subprefeito da Sé estima que o imbróglio judicial esteja resolvido até o fim do ano. A construção dos prédios deve demorar nove meses.

Especial
  • Leia o que já foi pubicado sobre a "Cracolândia"
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página