Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
21/10/2000 - 21h08

Bondinho do Pão de Açúcar fica suspenso com 65 turistas a bordo

Publicidade

SÉRGIO RANGEL
da Folha de S.Paulo

Um grupo de 65 turistas ficou suspenso em um dos carros do Bondinho do Pão de Açúcar, na Urca, zona sul do Rio, quando o cabo de aço que traciona os veículos se rompeu.

O acidente ocorreu por volta das 17h e o resgate dos passageiros só começou cerca de uma hora depois. José Aparecido de Souza, funcionário de uma empresa de ônibus que opera na área, foi atingido de raspão pelo cabo, ficando com ferimentos leves.

A diretora-geral da empresa Caminho Aéreo do Pão de Açúcar, Maria Ercília Leite de Castro, disse que não afasta a hipótese de sabotagem, embora a considere remota. O diretor técnico da empresa, José Pelegrini, disse que a hipótese mais provável para o acidente é uma fadiga do cabo, segundo ele, trocado há quatro anos.

A diretora disse ainda que o sistema do bondinho não é vistoriado há três anos pelo Departamento de Instalações Mecânicas da Prefeitura do Rio. A concessão para operar os bondinhos está vencida desde o ano passado. A Prefeitura e a operadora vão iniciar hoje a perícia para detectar a causa do acidente.

O resgate dos turistas que estavam no bondinho foi concluído após as 20h, mas até as 21h ainda continuava a descida, em bondes de resgate, das 350 pessoas que estavam no Pão de Açúcar e no Morro da Urca. A maioria dos turistas que ficaram presos era formada por brasileiros, norte-americanos e japoneses.

Quando o cabo se rompeu havia um bondinho em operação de descida, saindo da estação intermediária do Morro da Urca, a cerca de 200 metros de altura, e outro iniciando operação de subida, saindo da estação da Praia Vermelha.

O cabo rompido, que não interfere na sustentação dos veículos (eles são sustentados por outros dois), atingiu e amassou dois ônibus de turismo que estavam estacionados na praça de onde saem os bondes. Ele atingiu também o teto de um quartel do Exército.

Segundo o turista Jaime Lopes, de São Paulo, que estava aguardando embarque para subir o morro do Pão de Açúcar, quando houve o rompimento ouviu-se um barulho forte e o bonde que estava saindo balançou muito.

De acordo com o guia de turismo Édson Muniz, que estava no bondinho que parou na parte mais alta, com um grupo de nove turistas norte-americanos, não chegou a haver pânico porque o bondinho estava quase dentro da estação do morro da Urca. Segundo ele, alguns passageiros, todos brasileiros, chegaram a sentir-se mal.

O resgate do bondinho que parou no alto começou por volta das 18h, com o auxílio de seis bombeiros. A operadora usou andaimes e cordas para resgatar os turistas por um alçapão de segurança.

A descida dos passageiros resgatados e de outros turistas que já estavam no alto do morro foi feita com o auxílio de dois pequenos bondes, com capacidade para oito passageiros cada.

Os mais idosos, como a carioca Maria das Dores Beniti, 70, foram resgatados de helicóptero. Ela disse que não sentiu medo porque o bonde estava muito perto da estação. Muitas pessoas que estavam no alto do morro preferiram descer por trilhas, com medo de entrar nos pequenos bondes de resgate.

O bondinho do Pão de Açúcar, um dos cartões postais do Rio, foi inaugurado em 1912. O último acidente semelhante ao de ontem havia ocorrido em 1951. Na época, um dos cabos de sustentação se rompeu, mas o bonde foi sustentado pelo outro.

Leia mais:

  • 22h28 Termina resgate de turistas no Morro da Urca

  • 21h15 Acidente com bondinho no Rio pode ter sido sabotagem

  • 20h07 Termina resgate de passageiros de bondinho no Rio

  • 19h17 Japoneses e americanos ocupavam bondinho no Rio

  • 18h54 Bombeiros continuam resgate em bondinho no Rio

  • 18h36 Começa retirada de turistas do bondinho no RJ

  • 18h12 Bondinho do Rio pára com 40 passageiros a 250 m de altura


  • Leia mais notícias de cotidiano na Folha Online.
     

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página