Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/11/2006 - 10h23

Seqüestro do ônibus 174 terminou com duas mortes em 2000

Publicidade

da Folha Online

Um homem mantém reféns os passageiros de um ônibus da viação Tinguá, na rodovia Dutra, região de Nova Iguaçu (Baixada Fluminense), na manhã desta sexta-feira. O crime tem motivação passional, segundo a polícia. O impasse lembra o seqüestro do ônibus 174, em 12 de junho de 2000, no Rio, quando a mulher mantida refém e o seqüestrador morreram.

Naquele dia, o assaltante Sandro do Nascimento, armado e supostamente drogado, invadiu um ônibus da linha 174, que fazia o trajeto Gávea-Central do Brasil. Ele ameaçou matar diversos passageiros durante quase quatro horas. Cercado, ironizou os policiais, berrou com políticos presentes e, em um gesto de terrorismo, chegou a ordenar que os reféns deitassem no chão do ônibus e a atirar ao redor deles, para assustá-los.

Sandro desceu do ônibus segurando pelo pescoço a professora Geísa Firmo Gonçalves e apontando uma arma contra o peito dela, após mais de três horas de negociação. Um policial disparou um tiro na direção do seqüestrador, que revidou. A professora Geísa foi atingida por tiros e morreu minutos depois.

O assaltante, aparentemente sem nenhum ferimento, foi dominado levado em um carro do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais), da PM. Ele chegou morto à delegacia, com indícios de estrangulamento. Um capitão da PM assumiu que matou "o bandido em legitima defesa, porque ele tentou pegar a arma de um policial".

Geisa, 20 anos, foi enterrada dois dias depois, em Fortaleza (CE). O enterro reuniu 3.000 pessoas.

Leia mais
  • Homem mantém passageiros de ônibus reféns na Dutra
  • Em outubro, seqüestro passional terminou com dois mortos em SP
  • Ex-noivo mata jovem com dois tiros em São Paulo

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre reféns
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página